terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Ode ao Sol




Estava eu estudando os "rios de cura" da Susun Weed quando em certo momento ela me inspirou a escrever sobre o sol. Escrevi uma mensagem para meu grupo de discussão sobre menstruação, mas, como somos poucas lá, gostaria de levar a mensagem também para as leitoras e leitores do blog. Lá vai:




Olá, mulherada! Chegou o verão!!



E, já que ele chegou, deixo aqui uma dica: vamos tomar um pouquinho de sol todos os dias, no mínimo dez minutos.



Isso vai aumentar a vitamina D no seu organismo, fazendo com que seus ossos fiquem mais fortes - o que pode ajudar a evitar a osteoporose no futuro.



Tomar sol também melhora o funcionamento do seu sistema imunológico, é importante para sua estabilidade hormonal e melhora até a saúde do seu coração!



Uma vez li em um texto da Susun Weed que uma das coisas que podemos fazer para ajudar nos tratamentos de depressão é ficar de 10 a 15 minutos com o rosto no sol, mas sem óculos (eu uso, então tenho que tirar - rs).



Se precisa passar filtro solar? Eu acho que, antes das 10 horas da manhã, não há necessidade, depois desse horário sim.



Aproveitem o sol! E, para finalizar, um videozinho:



http://www.youtube.com/watch?v=qPAqkaBY5yY


Beijos!



Estou realmente empolgada com o verão este ano. Estou indo desde fazer a saudação ao sol do yoga na varanda todas as manhãs até contar a história de Amaterasu para o meu filho!!!!

sábado, 27 de dezembro de 2008

Pequeno Calendário Lunar

Calendário Lunar

Lua Nova – 27/12/08 - 7:22
Lua Crescente – 4/1/2009 - 6:56
Lua Cheia – 10/1/2009 - 22:27
Lua Minguante – 17/1/2009 - 21:46
Lua Nova – 26/1/2009 - 2:55

Melhores dias para plantio: 10, 11, 18, 19, 20, 23, 24, 25, 28 e 29 de janeiro

Melhores dias para colheita: 12, 13, 21, 22 e 26 de janeiro

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

DIVINAÇÃO COM FLORES 1


“Divinação com flores”... Nome lindo e pomposo, não?


Mas fique sabendo que a você já deve praticar esse tipo de divinação desde criancinha... Quer dois exemplos básicos?


Quando você estava enamorad@, queria saber se o sentimento era recíproco, nunca pegou uma margarida e fez aquele “mal-me-quer, bem-me-quer” básico, retirando pétala por pétala e pedindo desesperadamente para terminar com um bem-me-quer? Se fez, estava lindo com divinação com flores.


E soprar um dente-de-leão perguntando alguma coisa ou só querendo saber se teria boa sorte?


Este eu só conheci maiorzinha, e há variações em relação à leitura da flor. Uns dizem que, se todos aquelinhos fiapinhos da flor voarem, a resposta é um “sim”. Se a maioria deles ficar no caule, então a resposta é não.


Algumas pessoas interpretam os fiapinhos que ficam como azar e os fiapinos que voam como sorte.


E você? Já conhecia esse tipo de divinação? Sua prática e interpretação são diferentes destas? Deixe sua experiência nos comentários deste post.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Azevinho

E não é que, bem na época do Natal, meu azevinho resolve me dar folhinhas novas, assim, de surpresa? Esse azevinho ainda vai longe...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Tomilho 3


O tomilho é usado desde tempos remotos. Os egípcios o utilizam em suas múmias, para mantê-las conservadas por mais tempo, e os romanos o associavam com o vigor, tomando banhos dessa erva como símbolo de coragem. O tomilho também é uma erva de purificação, visto que os gregos queimavam-no em seus templos com esse objetivo.

O tomilho é queimado para atrair boa saúde, bem como em encantamentos de cura. Neste último caso, também pode ser utilizado em forma de banho.

Estáo associado às cores verde, cinza e prata, com o chakra do coração e com os dias da semana segunda-feira, quarta-feira, quinta-feira e sexta-feira.

Colocado debaixo do travesseiro, assegura um sono tranqüilo e sem pesadelos. Auxilia também no desenvolvimento de poderes psíquicos e as mulheres que usarem um ramo dele no cabelo tornam-se irresistíveis.

Na primavera, pode-se tomar um banho mágico de limpeza composto por tomilho e manjerona, a fim de assegurar-se que todas as mágoas e doenças do passado sejam removidas da pessoa.

É utilizado em sabonetes rituais com rosas, em Beltane, para trazer equilíbrio e beleza.

O tomilho também é carregado e cheirado para obter coragem e energia.

Com ele, é possível ver fadas. Espalhe a erva na soleira da porta e nas janelas para convidá-las a entrar em sua casa.

Como é uma erva de Vênus, considero apropriada para feitiços de amor. Também é ótima para quando se precisa vencer desafios, em magias com pérolas e para curar timidez.


DUAS RECEITINHAS MÁGICAS COM O TOMILHO

Quando quiser aumentar seu senso de humor, deixe um pouco de tomilho de molho na água e depois vá "salpicando" essa água com os dedos em volta de sua aura. Depois, com uma pena, em sentido horário, vá movendo essa energia que acabou de colocar em seu corpo como se estivesse fazendo cócegas em si mesm@.

Para banir energias negativas, coloque no pilão tomilho seco, casca de laranja seca e benzoim. Vá mexendo bem e depois faça um incenso.



ATENÇÃO: não utilize o óleo essencial desta planta em mulheres grávidas!!!!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

As Crianças e a Natureza


Semana passada eu vi a resenha de um livro chamado "Last Child in the Woods", que fala sobre um possível problema de saúde pelo qual as crianças poderiam estar passando por não mais entrarem em contato com a natureza.

Gostaria muito de ler este livro, mas ele é bem caro para o meu bolso atualmente (rs).

Uma semana depois, estava ouvindo um episódio do programa Green Hour e nele se dizia o seguinte: se um bebê estiver chorando muito, pegue-o para dar um passeio pelo quintal, por um bosque, que em cerca de 20 minutos ele se acalma.

Seria essa estratégia uma maneira de combater o "mal" que é fazer nossas crianças se afasterem cada vez mais da natureza?

E como uma coisa puxa a outra, descobri um site que defende o direito de a criança... não ter dever de casa! Segundo as pessoas que sustentam essa teoria, as crianças passam muito tempo fazendo lição de casa e não aproveitam mais o tempo livre, brincando na natureza, por exemplo.

Muitas coisas para se pensar!

sábado, 6 de dezembro de 2008

Tomilho 2




Chá de tomilho, sálvia e hortelã-pimenta

Este chá deve ser tomado quando a pessoa estiver com tosse e febre.

1 colher de chá de tomilho seco
1 colher de chá de sálvia seca
1 colher de chá de hortelã-pimenta seca
1 xícara de água fervente

Cubra as ervas com a água fervente e deixe tampadas por 8 a 10 minutos. Adoce com mel e beba ainda quente. Tomar até duas xícaras por dia, de 3 a 4 dias.



Chá de tomilho, lavanda e alecrim

Este chá deve ser tomado por quem está com dor de cabeça.

1/2 colher de chá de lavanda
1/2 colher de chá de alecrim triturado
1/2 colher de chá de tomilho
1 xícara de água

Cubra as ervas com a água fervente e deixe tampadas por 8 a 10 minutos. Adoce com mel e beba ainda quente.


Tomilho 1


Quem acompanha o blog sabe que, há um mês, eu criei uma tintura. O nome dela é "Joy", e as ervas que estão nela são a melissa, a verbena e o tomilho. Ficou uma delícia, eu tomo com água 3 vezes por dia e me sinto muito bem.

A melissa é um calmante, a verbena é muito feminina e o tomilho é bom em casos em que estamos precisando de um "up", pois renova as energias. Para mim, modéstia a parte (rs), é a mistura ideal! O mais engraçado é que eu não fiz a tintura pensando em nada disso. Eu apenas peguei três ervas, intuitivamente, e coloquei no mesmo saco, ou melhor, no mesmo pote com álcool (rs).

Outro dia li no Orkut o depoimento de uma terapeuta que tem usado o tomilho em casos de depressão: a pessoa faz um chá, se banha com ele e, todas as manhãs, toma também o chá.

A seguir, algumas informações "tecnicamente mágicas" sobre o tomilho:

Gênero: feminino

Elementos: água, ar e terra

Planetas: Vênus/Júpiter/Marte/Lua

Direções: Oeste/Leste/Norte

Deusas: Ana Perenna, Brighid, Felicitas, Fortuna, Lakshmi, as Musas, Ártemis, Diana, Liberta, Carmenta, Dione, Egéria, Filia Vocis, Gaia, Gwendydd, Inanna, Kwan Yin, Mari, Namagiri.

Pode ser utilizada em magias para: saúde, cura, sono, poderes psíquicos, amor, purificação, coragem, clarividência, honra e para diminuir a timidez.

UM ADENDO: se aparecerem seis pessoas comentando este post e dizendo que não sabem fazer tintura, eu vou preparar um longo post sobre esta "arte"!

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

2ª Jornada Faça Você Mesmx - São Paulo

2ª Jornada Faça Você Mesmx

Dia 29 de Novembro de 2008, a partir das 13h

Segunda edição da Jornada: mais uma vez, um dia para troca de conhecimentos, habilidades e idéias!

Aprender e Ensinar Trocar e Praticar

Fazer nós mesmos, pensar e criar autonomia, boicotando e questionando o consumismo

13h
SABÃO Líquido
Oficina de sabão líquido para lavar roupas e louça.

14h
PAPEL MACHÊ
Oficina de papel machê. Técnica de reciclagem de papel. Papel machê é uma massa que é possível moldar objetos em diferentes formatos, utilitários ou decorativos.

15h
FLORES DE TECIDO
Oficina de flores de tecido.
Trazer: retalhos, tesoura, agulha, linha, botões.

16h
CIRCO
Perna de pau, pirâmide humana, acrobacia de solo, entre outras técnicas!

17h
FANTOCHE
Aprenda a fazer bonecos de fantoches para fazer teatro, brincar, interagir.
Trazer: retalhos, tesoura, linha e agulha, papelão, lápis, pet, espuma ou manta acrílica, cola de sapateiro ou cola quente, lã, botões.

- Para participar das oficinas não é necessário trazer os materiais

- Comida vegan e bebida a venda no local! -

A Casa da Lagartixa Preta fica na
Rua Alcides de Queiroz, 161
Casa Branca - Santo André - SP
[próxima à estação de trem de Pref. Celso Daniel Santo André, do terminal de tróleibus, ônibus, SENAI, Av. Firestone, Av. Perimetral, cruza com a Av. Arthur de Queirós.]

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Dica de site do mês


Decidi que vou divulgar aqui no blog, todo mês, um site legal (de preferência nacional, para que todos possam ter acesso). Mês passado foi o Cheiro de Mato, blog de uma jornalista da revista Casa e Jardim.

Hoje será o da campanha "Vamos plantar 1 milhão de árvore":

http://www.ummilhaodearvores.org.br/arvore/

Explorem o site, leiam tudo... Creio que vão gostar!

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A Vassoura - Parte 2




Pense em como é linda a coreografia de uma mulher que varre o chão... A vassoura faz parte de nossa conexão com o solo, é uma extensão de nosso toque. É ela que nos ajuda, no dia a dia, a "limpar os caminhos".

Considerada um símbolo de simplicidade e paciência, começo a lembrar que minha avó dizia para não varrermos o lixo pela porta da sala. Ela dizia que isso levava o dinheiro embora, e só deveríamos tirar o lixo pela porta de trás, geralmente da cozinha.

Eu também ouvia dela que não se deve varrer de noite, e descobri há poucos dias, lendo um artigo de Carlos Solano, que assim se faz para atrair somente "forças da luz".

É este autor, especializado em feng shui, que nos diz que, para trazer a felicidade para dentro de casa, devemos varrer de fora para dentro, repetindo: "O que é bom fique melhor e fique dentro da minha casa". Para mandar o que não quer mais para fora de sua vida, o melhor é varrer de dentro para fora, dizendo: "O que tiver de ruim, eu ponho para a rua". Não concordo com essa segunda frase. Eu diria algo como "O que for indesejável aqui, que seja transmutado para energias melhores fora da minha casa". Eu não acho bonito jogar lixo na rua! (rs)

Minha avó sempre implicou com vassoura deitada no chão, e eu nunca entendi o motivo. Solando diz que esse costume de deixar a vassoura em pé começou com o fato de que o povo da roça colocava vassouras para travar portas e janelas, ficando ela "associada a bloqueios na vida". Deitada, só se for "debaixo da cama para afastar medos e pesadelos".

Ele ainda indica, ao mudar de casa, fazer a primeira varredura com a vassoura da casa antiga, caso a vida tenha sido boa no local anterior. Se não foi, é só comprar uma nova. Eu recomendo, enquanto você varre, visualizar coisas boas vindo para dentro da casa, mas faça isso depois de uma boa limpeza energética do local, queimando sálvia seca no recinto, por exemplo.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ignorância religiosa

Feriado do dia 20 de novembro - Dia da Consciência Negra. Eu varrendo a casa e pensando no feriado, nos negros que tanto sofreram (e ainda sofrem) preconceito, questionando tudo o que já li sobre a validade ou não-validade desse feriado quando... aparece um senhor no meu portão.

Rapidamente saem da minha mente as memórias de um 20 de novembro longínquo (acho que foi em 1994), quando esse dia ainda nem era considerado um feriado, e eu e mais dois amigos fomos pintar uma parede no centro da cidade do Rio de Janeiro em homenagem a Zumbi dos Palmares.

Eis o diálogo:

- Queria saber se a senhora recebeu um tratado.

- Moço, eu trabalho o dia inteiro, muito provavelmente não recebi.

- Mas é um relatório mundial, o mundo inteiro já recebeu.

- Mas eu não recebi não, senhor.

- A senhora pode vir aqui dar uma olhada?

- O senhor vai me desculpar, mas eu já tenho minha "religião".

- Mas isso não é sobre religião não, senhora, é sobre a bíblia.

Socorro. Acodam-me. Será que o cara realmente acha que as coisas da bíblia não são religião e é um ignorante (no sentido literal da palavra)? Será que essa é apenas mais uma técnica de evangelização adotada por eles? Prefiro muito acreditar na segunda opção. Porque se a primeira for verdade, eu vou morrer de pena desse senhor.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

A Vassoura - Parte 1


Bom, faz tempo que não escrevo textinhos mais didáticos, então resolvi sair do armário e escrever sobre... a vassoura! Do ponto de vista da bruxa, é claro! Preparem-se porque vem bastante informação por aí!



A VASSOURA - PARTE 1

A vassoura tem sido associada ao feminino e ao mágico desde os tempos de Roma. Em algumas tradições também tem sido associada a cerimônias de casamento celebradas por sacerdotisas (você já viu algum filme em que os ciganos pulam uma vasoura nos rituais de casamento?).

Outras tradições, como a nórdica e a européia, fazem o ritual da vassoura no ano novo, mas isso não é uma regra e costuma variar de família para família. Esse ritual consiste em varrer, com força e intenção, as energias ruins do ano que fica para trás para fora da casa. A sujeira que vai para fora é levada pelo vento do inverno - lembre-se de que estamos falando do Hemisfério Norte. Essa vasoura era deixada do lado de fora para fazer com que as energias ruins não retornassem a casa e uma outra era providenciada, sendo abençoada com os desejos e intenções para o ano vindouro. Com esta vassoura eram "varridas" as coisas boas para dentro da casa.

Na casa da minha avó, quando ela queria que visitas não desejadas fossem embora logo, tratava de colocar uma vassoura atrás da porta. Já ouvi dizer que uma variação desta prática é manter a vassoura atrás da porta de modo que a tal visita nem chegue perto da casa!

Agora, fica aqui a sugestão de uma "prática espiritual" com a vassoura: da próxima vez que estiver varrendo sua casa, pense no suporte que o chão significa para seus pés e na proteção que o teto lhe dá diariamente. Sinta o espaço entre os dois e agradeça. Perceba também a força de seu corpo ao varrer. Esta prática eu peguei emprestada dos "treats" diários que a sacerdotisa americana Ezevia Rose envia sempre que possível. Fica aí algo para se pensar.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Frase da Jamie Sams



"Ao confiar nos ciclos dos seus corpos e permitir que as sensações venham à tona dentro deles, as mulheres vêm sendo videntes e oráculos de suas tribos há séculos. As mulheres precisam aprender a amar, compreender, e, desta forma, curar umas às outras."

Novidades sobre tarô


Definitivamente, eu não sou uma pessoa boa de tarô. Só consigo usar mesmo o Motherpeace porque tem toda aquela ligação com o feminino, foi criado pela Vicki Noble etc. Gosto muito mais do Oráculo da Deusa, mas ele não pode ser considerado tarô.


Aí um certo dia eu decido que o tarô não é pra mim e que vou vender meus decks, mas... "surgem" coisas interessantíssimas a esse respeito bem na minha frente!


1) Aparece um estudo de tarô, virtual e de graça pra eu fazer!

2) Eu sou aprovada para participar de um seminário virtual sobre divinação com pedras!

3) Surge um curso básico, virtual, sobre vários tipos de divinação, em inglês, pra eu fazer.

4) Descubro o Herbal Tarot, que é como um Rider-Waite, só que herbal. Para ler uma resenha sobre ele, é só clicar aqui: http://www.aeclectic.net/tarot/cards/herbal/review.shtml



Ou seja, acho que ainda não é hora de vender meus decks! (rs)
Porque com essas oportunidades, que listei acima, ou eu aprendo a usar o tarô... Ou eu começo a usar outras formas de divinação na minha vida!
Pra finalizar, queria apenas deixar claro que só uso o tarô para fins de autoconhecimento.

Crise de fé

Não fui eu quem disse, foi o Quiroga (e disse hoje):

É imprescindível ter uma idéia mais clara dos acontecimentos e da verdadeira natureza dos relacionamentos, pois sem esta a crise de fé só se aprofundará perigosamente.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Na Natureza Selvagem - O filme


Há alguns meses, o Moésio me indicou um filme chamado "Na Natureza Selvagem". Lembro de ter lido no e-mail dele algo sobre Thoreau e, como somos anarquistas (e ele tira belíssimas fotos da natureza), pensei que fosse um filme político, literário ou social. Mas nunca uma biografia.


Depois de um tempão, achei o filme na locadora do condomínio em que trabalho. Peguei sem grandes pretensões, mas hoje posso dizer que foi um filme que me abalou muitíssimo!


A sinopse, retirada de um site:


"Início da década de 90. Christopher McCandless (Emile Hirsch) é um jovem recém-formado, que decide viajar sem rumo pelos Estados Unidos em busca da liberdade. Durante sua jornada pela Dakota do Sul, Arizona e Califórnia ele conhece pessoas que mudam sua vida, assim como sua presença também modifica as delas. Até que, após 2 anos na estrada, Christopher decide fazer a maior das viagens e partir rumo ao Alasca."


Depois de assistir ao filme, que tem duração de 2 horas e 20 minutos e direção de Sean Penn, fiquei vidrada e comecei a pesquisar como louca a vida de Christopher McCandless. Para se ter um nível da minha piração, ia dormir e vinha o rosto do cara!!! (Não o rosto do ator, mas do próprio Christopher - é só colocar o nome dele no YouTube para assistir a uma reportagem de telejornal sobre ele - em inglês.)


Além disso, já baixei a trilha sonora, que foi toda feita pelo Eddie Vedder. Eu detesto Pearl Jam, mas preciso confessar que ficou maravilhosa! Não consigo para de ouvir "No Ceiling" nem a pau.


Se você gosta de natureza, de pessoas incomuns, de Thoreau, assista ao filme.


Eu tenho muito mais a falar sobre o filme, mas não sou estraga-prazer (rs). Se você quiser, pode ler o livro homônimo, que foi publicado no Brasil pela Companhia das Letras.

Fim de semana com as ervas...

Este foi mais um fim de semana agradável com as ervas...

No sábado, preparei uma tintura de três ervas para as meninas do curso. Ficarão no escurinho por 1 mês e conseguirei entregar para elas no último dia do curso. Viva! Curios@s pra saber o que foi na tintura? Segredinho por enquanto... Eu ainda preciso sentir bem a mistura para dar um nome a ela, mas, quando eu tiver certeza, posto por aqui.

Outra coisa gostosa que fiz foi passar bucha vegetal nas axilas e depois colocar óleo essencial de melaleuca nelas (falando isso, meu OE de melaleuca venceu em outubro, preciso comprar outro urgente, pois não consigo viver sem ele!). Eu sempre ouço dizer que desodorante não é legal, que "entope" os poros da região, que pode causar câncer de mama, então toda semana eu faço isso. É meu jeito de "limpar" minhas axilas melhor.

Meu filhote ficou doentinho, com dor de garganta. Então eu comecei a dar a ela o extrato de equinácea que eu trouxe dos EUA. Acho que não está adiantando muito, mas persisto. Antes de ele dormir, no sábado, levei para a cama uma bacia de ágata com uma tisana de eucalipto, para que ele pudesse respirar o ar com aquele cheirinho bom. Coloquei uma toalha na cabeça dele e ele ficou lá absorvendo o vapor medicinal.

Aproveitei e deixei a tisana ao lado da cama dele, exalando aquele cheirinho gostoso de limpeza pelo quarto.

No dia seguinte, limpei o chão em que meu filho havia acabado vomitando com aquela água. E também reguei uma pobre plantinha que fica na varanda do meu quarto e quase nunca é regada, coitada.

Semana que vem farei sabonetes de camomila para as meninas do curso... E, para agradecer ao eucalipto, essa planta maravilhosa de cura que passou o fim de semana comigo, vou escrever sobre ela em breve.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Happy Halloween!


Feliz Dia das Bruxas para todas as minhas amigas... bruxas!
Que as mulheres comemorem esta data conscientes de seu poder.
Que honremos nossos ancestrais nesta época em que o véu entre os mundos está mais fino.
Happy Halloween! Feliz Samhain! El Dia de los Muertos!

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Feliz Aniversário!


No geral, sou uma pessoa com auto-estima muito baixa. Por isso, acho que nunca é necessário celebrar meu próprio aniversário e ele acaba sempre passando em branco. Desde pequena, passo o dia chorando, mas resolvi fazer diferente hoje.

Hoje, vou continuar a tal da não-celebração, mas gostaria de agradecer:

* pelo filho e marido maravilhosos que tenho
* pela minha casa, que abriga a mim e aos que amo
* pelo meu trabalho
* por meu pés e minhas mãos, que batem em alegria
* por meu ventre
* pela nova Deusa que "me descobriu" no último domingo (19/10), Skadi
* pela música que eu ouvi vindo trabalhar hoje (trilha sonora de "Na Natureza Selvagem")
* pelas roupas que protegem meu corpo
* pela comida que me alimenta
* pelo ar que eu respiro
* pelas árvores, estas sábias ançiãs que guiam meu caminho
* pelas ervas, que me permitem, a cada dia, esmiuçar cada vez mais seu mundo
* pelas pessoas, reais ou virtuais, que me cercam, me ouvem e me ensinam
É ótimo chegar aos 31 anos tendo tanta coisa para agradecer!


A FELICIDADE SÓ É REAL QUANDO É COMPARTILHADA

domingo, 19 de outubro de 2008

sábado, 18 de outubro de 2008

A Cozinha Mágica


Sim, as ervas mágicas podem estar em sua cozinha... mágica!


Mas o que é uma cozinha mágica para mim? É aquele lugar da casa onde ocorre a alquimia, a transformação. Os alimentos, crus, "transformam-se" em cozidos para nos alimentar. Outros podem mesmo ser comidos crus, e ambos, crus ou cozidos, se transformam dentro de nós em energia para que continuemos vivos e desenvolvendo nossas atividades.


Uma das regras básicas para se ter uma cozinha mágica, na minha opinião, é manter seus armários organizados. Porque se as panelas e potes estão todos bagunçados, creio que essa energia será transferida para seus projetos, ou seja, sua comida!


A segunda regra é ter uma colher de pau, que funciona como uma extensão do seu braço (é como se fosse uma varinha mágica mesmo). Algo que aprendi outro dia foi a fazer símbolos nas minhas colheres de pau, com uma faquinha. Enquanto você usa a colher de pau e mexe a comida, vai dizendo que com a colher de pau você está adicionando e misturando àquela comida amor, saúde e harmonia, por exemplo.


Você também pode ter um altar na cozinha. Um em honra à Héstia me parece uma ótima opção.


Também pode ter, além da vassoura normal, uma somente para limpar sujeiras astrais. Depois de ter visitas indesejadas, varra para fora as energias ruins daquela pessoa.


Hoje em dia quase ninguém mais faz orações antes das refeições, o que é uma pena, pois este pode ser um momento mágico. Este será o assunto do próximo post, ainda dentro do tema "cozinha mágica".


Suas ferramentas devem refletir seu caminho, suas escolhas e sua espiritualidade.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Ervas Mágicas - Manjericão


MANJERICÃO (Ocimum basilicum)

Texto por encomenda da Iony (rs)

Gênero: masculino

Associações astrológicas: Marte / Sol / Vênus

Elemento: Fogo


Também chamado de alfavaca, o manjericão é conhecido como símbolo do amor e da coragem e tem associação de longa data com a bruxaria e a magia.

Pode ser usado para acalmar o temperamento entre os amantes e em divinações com fins amorosos (por exemplo, coloque duas folhas frescas de manjericão em carvão ardente. Se elas permanecerem onde foram colocadas, queimarem rapidamente e virarem cinzas, o casamento será harmonioso. Se houver estalidos, a vida do casal será cheia de discussões e, casos as folhas voem para longe com estalidos fortes, o relacionamento não é aconselhável).

Para saber se uma pessoa é promíscua, coloque uma folha de manjericão fresca em sua mão. Se ela murchar, já sabe... (rs)

Traz riqueza para aqueles que o carregam em seus bolsos e é utilizado em estabelecimentos comerciais (na soleira da porta ou perto do caixa) para trazer fregueses.

Também é utilizado para que a pessoa se assegure de que o companheiro permaneça verdadeiro no relacionamento. Para isso, espalhe o pó de manjericão sobre o corpo da pessoa enquanto ela dorme, especialmente sobre o coração, e a fidelidade abençoará seu relacionamento (fica aqui minha pergunta: isso não seria magia manipulativa?).

Se for espalhado pelo chão, nenhum mal fica onde ele está. Pode ser utilizado para exorcismos e banhos de purificação.

Afasta bodes e cabras, mas atrai escorpiões. Usado para invocar salamandras. Previne embriaguez.

Diz-se que as bruxas bebiam meia xícara de suco de manjericão antes de voarem.

Para quem gosta de dietas: diz-se que se colocarmos secretamente um pedaço de manjericão debaixo de uma pessoa, ela não conseguirá comer nada.

O manjericão dado como presente traz boa sorte para uma casa nova.

Age como pacificador e integrador na família, daí ser chamado de erva da harmonia.

Ele transmuta a energia agressiva, transformando-a em vontade e força para brigar por coisas mais importantes como metas e ideais. Ajuda a brigar pela vida e pelas coisas que nós queremos.

É ótima para os desorganizados e indisciplinados. Ajuda-nos também a ver o brilho e o perfume da vida.

Na alimentação, atua como energizante. Por ser muito delicado, deve ser usado na cozinha delicadamente. Coloque-o sempre por último nos alimentos cozidos para que ele não perca os princípios ativos. Também é ótimo para dar banho em crianças agressivas e que dormem mal.

O escalda-pés de manjericão é ótimo para quem está agressivo, com raiva e pronto para explodir. Tira a raiva na hora.

Já o chá de manjericão ajuda pessoas muito contidas a liberarem o amor.

Pode também ser colocado em vasos para evitar a entrada de energias negativas.

As compressas de manjericão (uma pasta pilada com as folhas) ajuda as mães que ficam com os seios doloridas ou com rachaduras depois da amamentação. Os gargarejos com manjericão são ótimos para dor de garganta, aftas ou mau hálito.

Bom para casos de confusão mental. Pode ser usado ainda como tintura ou vinagre, queimado no aromatizador ou aspergido. Galhos nos vasos funcionam bem.

Utilize em banhos de limpeza, saúde e cura, fertilidade.

Serve para cessar violência, abençoar, acalmar, divinação, casamento, agradecimento, compreensão, entendimento, sabedoria e cura do meio ambiente.

Protege contra todas as formas do mal e atrai boa sorte.

Cultivar manjericão, eu um vaso ou em uma horta, traz paz e felicidade para a casa.

Esmague uma folha e inale o cheiro: ajuda a clarear a mente e o caminho correto irá se revelar.

Usar como um sabonete ritual de autodedicação. Também é altamente associado a iniciações.

Pode-se também utilizar o manjericão no cálice ritual, bebendo o chá magicamente preparado a fim de meditar com dragões e salamandras e para estabelecer uma comunhão com esses seres ancestrais.

Para proteção, coma o manjericão nos pratos que preparar com a devida visualização.


Fonte: Os textos foram baseados no livro sobre ervas mágicas de Scott Cunningham, no site de Teresa Modro e nos meus apontamentos de estudo com ela, bem como nos textos de magickal herbalism do meu arquivo.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Tônico de Primavera


Para comemorar a Primavera, um post especial!


Tradicionalmente, os tônicos devem ser feitos e tomados na primavera. A seguir, uma sugestão de tônico de primavera que irá revitalizar seu fígado, ajudando o corpo a se livrar das toxinas.

Primeiro, compre uma vela com a figura de Iemanjá (se não achar uma, use sua criatividade e “crie” uma!).

Acenda-a em um domingo. Faça um chá de verbena, adoce com mel e tome-o sentada em frente à vela. A verbena é sagrada a Iemanjá e ajuda a limpar o fígado.

Enquanto toma o chá, visualize as toxinas saindo de seu corpo e Iemanjá limpando você espiritualmente com água salgada.

Para desintoxicar o fígado, você também pode comer alcachofra e usar outra erva, o dente-de-leão (este último, em saladas - se for orgânico, é claro - ou em forma de chá).

Fonte: baseado em texto de Denise Dumars.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Ervas Mágicas - Garra-do-diabo


Nome científico: Harpagophytum procumbens


Usada para acabar com a negatividade e desbloquear energias. Também para proteção, sorte, atrair um novo emprego e invisibilidade.


Quando colocada em volta do pescoço, protege contra maus agouros. Você também pode carregar um pouco da erva no seu bolso para proteção.


Também é bom deixar a erva de molho na água do balde e depois usar para limpar o chão, protegendo assim sua casa (mas coe essa água antes, senão você vai ter é uma casa cheia de matinhos espalhados... rs).


Outro uso que pode ser feito dentro de casa é, quando for morar em um novo lugar, limpe a casa com essa água, para remover a energia dos antigos moradores.


Também pode ser usada como amuleto para trazer sorte em jogos.


Use a erva bem picada em uma jarra cheia de whiskey, por exemplo, e pedrinhas de cânfora. Quando você precisar de poder, de qualquer tipo de poder, molhe suas mãos com esse líquido e esfregue-as. Depois coloque um pouco do líquido no objeto que tenha a ver com a situação (para problemas financeiros, molhe sua carteira).


Também é uma erva boa para questões de trabalho. Carregue-a no bolso quando estiver procurando emprego ou quando estiver passando por problemas naquele que já é seu. Também ajuda nos casos de pedido de aumento.


Terapeuticamente, é usada no reumatismo, artrite e também para desintoxicação. Não deve ser usada por diabéticos sem orientação médica.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Um selo para o blog


Recebi da Celia, minha querida amiga, um selo para este blog. Eu o repasso para outras amigas agora:
Inês e Pietra = stregheriapratica.blogspot.com/
Nydia = criandosalamandras.blogspot.com/
Ariany = casadafadaazul.blogspot.com/
Com este selo, fica aqui a promessa de um dia nos conhecermos pessoalmente (é a tal da proximidade, né?), pois eu as considero muito!!!!


Carta da Lua Cheia


Quem me conhece sabe que não sou boa de tarô, mas gosto de tirar uma carta toda Lua Cheia para autoconhecimento. Mais uma vez, as cartas me sugerem introspecção e recolhimento:


Quatro de Discos

O Quatro de Discos representa algum tipo de santuário interior, talvez uma sala ou casa onde podemos estar abrigados e a sós. A figura necessita de silêncio. Sua personalidade anseia por um local tão sossegado quanto um monastério. Nesse espaço privado, acha-se livre para abrir ou cerrar a porta conforme lhe aprouver. Uma pequena fogueira arde ao centro, e a fumaça que sobe escoa-se por um orifício no teto. As armadilhas externas da vida social desfazem-se juntamente com as nervosas oscilações do mundo exterior. A figura humana está ciente de que precisa dizer "não" ao que os outros desejam por ora, para averiguar o que efetivamente necessita para si.


Os cálidos tons lenhosos e a espacialidade do ambiente desobstruído permitem que a mente se acalme e ouça as vozes interiores. Os Discos na parede representam as tarefas que são destinadas a você: metas interiores e ideais de crescimento espiritual. O primeiro Disco exibe a espiral que conduz ao próprio centro; o segndo, um vôo mágico aos reinos celestiais; o terceiro sugere que seu ingresso e egresso assumiram a forma de um padrão rítmico; e o quarto, uma mandala em cruz promete-lhe a integração dos quatro elementos. Agradecidamente cerra, pois, a porta ao mundo exterior.

Cheiro de Mato

Eu nunca faço propaganda de blogs, mas acho que este aqui vocês vão adorar:


http://www.blogcheirodemato.com.br/


É o blog da Thaís Lauton, especialista em paisagismo da revista Casa e Jardim desde 2004.

Sempre é possível aprender algo novo por lá, e as fotos, é claro, são um colírio para aquel@s que são amantes das plantinhas.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Mari e as Plantas


Quando vi essa foto no blog da Mari, eu pirei. Achei realmente linda e pedi autorização para colocá-la aqui no blog. Tive o prazer de fazer minha reconsagração do ventre na companhia da Mari, ela é uma pessoa especial para mim!

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Podcast sobre ervas - Pietra Di Chiaro Luna


Quer ouvir um podcast (é como se fosse um programa de rádio) sobre ervas na bruxaria italiana?


Ouça a super Pietra Di Chiaro Luna neste link:




O programa está muito legal e eu fiquei muito feliz por ter sido citada nele.


Ouçam! Baixem! Vale muito a pena!!!!

Calêndula - Usos Mágicos


Gênero: masculino

Elemento: fogo

Planeta: Sol

Direção: Sul

Deidades: Flora, Diana, Ártemis, Pã, Fauno, deusas e deuses solares, Xochiquetzal

Representação no corpo: Auto-imagem

Representação na mente: comunicação, banimento do medo, liderança, amor, dinheiro, sucesso, parar algum tipo de violência

Sabás: Beltane e Mabon


Este é o ano da calêndula. Não me pergunte quem oficializou, mas vira e mexe eu vejo um “2008 – Ano da Calêndula” nos sites de ervas por aí (rs).

Eu adoro calêndula, sempre tenho esta linda plantinha solar, que é boa para proteção, assuntos legais e aumentar poderes espirituais.

Para fortalecer seu coração, colha a calêndula bem no meio do dia, para que o calor do sol o aqueça. Para que o mal não entre em sua casa, coloque guirlandas de calêndula nas portas.

Espalhe calêndula embaixo da cama para proteção e para que seus desejos se realizem.
Carregue-a com você quando precisar que seja feita justiça em algum tribunal.

Uma lenda sobre a plantinha: dizem que se uma garota tocar a calêndula com os pés desnudos, entenderá melhor a linguagem dos pássaros. O que está esperando para voar? (rs)

Dizem também que esta planta “ajuda” a descobrir quem foi que lhe roubou algo.
Terapeuticamente, ajuda a fortalecer o sistema imune e pode inclusive ser comida em saladas (mas cuidado: não vá pegar folhas e flores de calêndula que ficam na beira de estrada para comer, muito menos aquelas plantas cheias de agrotóxicos). Há quem pense que somente sentir o cheiro da planta já ajuda a manter a saúde.
Dizem também que beber o chá ajudar a resolver problemas de amor. Nas divinações com este fim, é bom queimar a erva. Para aumentar sua popularidade, tome um banho com calêndula num domingo.
As sementes são sagradas a Apolo e, quando ingeridas, trazem visões.
E já que estamos em agosto, dizem que um poderoso feitiço “antifofoca” (rs) é colher as flores neste mês e colocá-las num saquinho junto com uma folha de louro. Corra porque o mês já está acabando!
Um exemplo de magia simpática é olhar bem para as flores com o intuito de melhorar a visão, já que elas lembram olhos.
Além de servir para consagrar instrumentos mágicos, também pode ser usada em ritos fúnebres.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Atenção

Presta atenção em teus pensamentos, pois eles se tornarão palavras.

Presta atenção em tuas palavras, pois elas se tornarão atos.

Presta atenção em teus atos, pois eles se tornarão hábitos.

Presta atenção em teus hábitos, pois eles se tornarão o teu caráter.

Presta atenção em teu caráter, pois ele determinará o teu destino.

Talmude

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

BRÍGIDA NOS PAÍSES BAIXOS (HOLANDA)


(TEXTO RETIRADO DA e-magazine "GODIN IN MIJ" - A DEUSA EM MIM)

" Oh, Brígida, rogai por nós ao nosso senhor Jesus, para que nossas terras sejam protegidas e que nós estejamos e continuemos livres das pragas que matam nossos rebanhos. Santa Brígida, rogai por nós."

Ela, que nós conhecemos como Deusa Brígida, Brigit, Bridie, foi honrada em nosso país como Santa Brígida (Heilige Brigida) em Limburg: "de Heilige Briej". Essa adoração aconteceu principalmente no sul da Holanda e na Bélgica, nas províncias Limburg e Brabant.

Esses nomes são, novamente, derivativos de Santa Brígida, uma santa que viveu na Irlanda entre 453 e 523 d.C. Ela era uma moça nascida em uma família de fazendeiros, que se tornouseguidora de São Patrício da Irlanda e, mais tarde, fundou seu próprio convento, inicialmente com 7 mulheres e que depois cresceu rapidamente. Santa Brígida viajou, assim como São Patrício, por toda a Irlanda e até mesmo na Escócia e Inglaterra. Durante suas viagens, ela angariava seguidores e fundava novos conventos. E muitos lugares próximos aos conventos (normalmente ruínas), particulamente fontes, receberam seu nome.

Em Kildare encontrava-se o maior convento por ela fundado. Em uma determinada época, ele era tão extenso que se podia falar de uma verdadeira comunidade. Nesse local não só se praticava o culto religioso como também eram realizadas pesquisas científicas.

Santa Brígida morreu aos 87 anos de idade em Kildare, no dia 1 de fevereiro de 523. Em sua honra, foi aceso um Fogo Sagrado, que seguiu queimando por séculos e que, após um determinado período, extinguiu-se. Em 1993, no dia 1 de fevereiro, a chama em Kildare foi novamente acesa e é mantida pelas "Daughters of the Flame" (Filhas da Chama).

Esse é um pequeno apanhado sobre a história de Santa Brígida de Kildare. Quando, a partir do ano 600 até meados de 1100, muitos monges irlandeses partiram para a Europa continental com o intuito de converterem os pagãos à religião católica, muitos dos santos, suas histórias e formas de adoração seguiram com eles. Assim, Santa Brígida também foi trazida ao continente e aos Países Baixos.

Levando-se em conta que o catolicismo na Holanda manteve-se principalmente em Brabant e Limburg, é nessas províncias que ainda são encontrados lugares sagrados à Brígida, na forma de Santa Brígida. Tais locais são reconhecidos porque há igrejas, capelas, fontes, relógios e inclusive agremiações ou fanfarras que receberam o seu nome. As cidades da Holanda nas quais Santa Brígida é venerada são: Noorbeek, Brunssum, Castenray, Herten, Itteren, Middelaar e Nieuwstadt (em Limburg) e Bavel, Den Bosch e Geldrop (em Brabant).

Neste artigo quero falar mais um pouco sobre a adoração de Brígida, sobretudo em Noorbeek, e também vou falar um pouco sobre Geldorp, levando em conta que estive nesses dois lugares e pude experimentar a presença de Brígida.

Noorbeek é uma pequena vila situada ao sudoeste de Maastricht, bem próxima à fronteira com a Bélgica. Para muitos, portanto, uma longa jornada de carro, caso você queira visitá-la. Mas vale a pena caso você esteja procurando por Brígida. Há uma igreja, uma capela, um pinheiro, uma fonte e até um albergue que receberam o seu nome em homenagem à Santa Brígida.

Que a adoração à Brígida aqui tenha permanecido tão vívida deve-se ao fato de essa parte sulista de Limburg ser uma verdadeira região agrícola, uma importante fonte de renda.

Quando, em 1634, a peste bovina se alastrou, os aldeões de Noorbeek e arredores tiveram a sorte de possuir uma igreja em homenagem à Santa Brígida. Essa Brígida era conhecida como protetora do gado e certamente possuía também qualidades de curandeira.

A sua associação com a pecuária vem do fato de que Brigid era originária de uma família de fazendeiros e claramente um "milagre" deve ter acontecido na fazenda de seus pais. O pai e a mãe de Brigid eram generosos e sempre doavam leite aos pobres. Quando houve falta de leite, Brigid rezou a Deus e viu suas vacas produzirem leite em abundância. Ela também foi conhecida como alguém com maravilhosos poderes de cura, principalmente sobre problemas relacionados à visão.

Os moradores de Noorbeek rezaram para Santa Brígida, ou Briej, como eles a chamavam, e prometeram decorar um grande pinheiro em sua honra todo segundo domingo após a Páscoa caso suas preces fossem atendidas. Então, toda Noorbeek e seus animais foram salvos da peste. Também nos anos seguintes até bem recentemente, quando a peste suína e a febre aftosa alastraram-se, a cidade não foi contaminada.

Até hoje, todos os anos, os homens solteiros de Noorbeek enfeitam um grande pinheiro vindo do bosque, o transportam em uma carroça especialmente enfeitada para a ocasião e o erguem (através de um sistema especial) no segundo domingo após a Páscoa. O Pinheiro de Brígida permanece, então, durante todo o ano bem próximo à Capela de Brígida (Brigidakapel), no meio da vila.Uma outra tradição em Noorbeek e nas vilas dos arredores acontece no dia 1o de fevereiro, aniversário da morte de Brígida, quando a água e a comida dos estábulos são abençoadas para garantir saúde e fertilidade.

Em outras vilas, nesse dia, galhos de aveleira são respingados com água benta e utilizados para bater levemente no gado de forma a purificá-lo e garantir fertilidade para o próximo ano. E há muito tempo atrás, procissões também eram feitas, nas quais Brígida era carregada pelos campos para garantir fertilidade.

Além do Pinheiro de Brígida, muitas outras imagens da santa podem ser encontradas. Em primeiro lugar na Capela de Brígida (Brigida Kapel), onde as pessoas podem rezar e também acender velas votivas para a Santa. É interessante notar que, aqui, Brígida é mostrada não só com uma vaca, mas também com uma vela.

Na Igreja de Brígida, pode-se encontrar uma linda imagem dela, com uma vaca ao seu lado, e com um cajado, o que no mundo católico aponta para a sua santidade, comparável ao cajado de São Nicolau (Sinterklaas, muito festejado na Holanda em 5 e 6 de novembro. n.t.). Além disso, também podemos encontrar sua imagem em um vitral, onde ela, com uma vaca aos seus pés, segura um livro. Essa imagem aponta para a sua vida como religiosa (freira).

Finalmente, há uma Fonte de Brígida, situada na aldeia de Wesch, assim chamada porque essa fonte antigamente era usada como lavanderia (was / wej- plaats. n.t.). Ela é ainda muito fácil de ser vista. A fonte é a origem do riacho Noor, que dá o nome à cidade de Noorbeek (arroio do Noor. n.t.). O motivo pelo qual essa fonte recebe o nome de Brígida não é completamente claro, mas na placa colocada à frente dela está escrito um texto de 1858 que diz: "Santa Brígida, rogai por nós". Há também histórias de curas de males nos olhos por meio de compressas feitas com a água da fonte.

Após esse resumo dos lugares de Brígida em Noorbeek, quero parar com um assunto que se aprofunda mais na pura aparência e costumes à volta de Santa Brígida nessa pequena vila de Limburg.

Como provavelmente muitos aqui já sabem, existem muitas Deusas, histórias de deusas e costumes que foram convertidos para a fé cristã. Geralmente porque os costumes e adorações seculares não puderam ser abafados pela nova fé, principalmente nos campos. Durante minha visita à Noorbeek isso ficou muito claro.

Há pessoas que clamam que a Deusa Brigid está reencarnada como Santa Brígida. Isso já é alguma coisa, queira você acreditar ou não. Mas realmente patente é que Santa Brígida possui um pouco de todas as qualidades e poderes que a bem mais antiga Deusa Brígida possuía.

Assim como a Deusa Brígida possui um proeminente aspecto ligado ao elemento Fogo, hoje há uma chama mantida em honra de Santa Brígida. Também o dia dedicado à memória da morte de Santa Brígida, 1 de fevereiro, é precisamente "acoplado" com Imbolc, a festa da Roda do Ano na qual a Deusa Brígida é honrada.

Mas... continuando em Noorbeek...

Primeiro e especialmente a fonte!

Brígida é a deusa da cura e da purificação. Durante séculos ela foi adorada como o poder de cura das fontes e poços, que possuíam sua água santa, muito antes da menina Brígida nascer. Os antigos celtas iam às fontes à procura de cura e purificação, porém eles também utilizavam essas fontes e poços como locais para fazerem pedidos (desejos).

A fonte possui, também, um aspecto triplo. Assim, a água era vista, em seu "aspecto Virgem (Donzela)", como literalmente uma fonte de inspiração. Além disso, a água era vista como fonte de fertilidade e, no caso de Brígida, o nutritivo leite tanto materno (Mãe) como bovino. Finalmente, a fonte era considerada como o local no qual as almas após a morte eram coletadas por Brígida em seu aspecto Anciã e de onde as crianças novamente renasciam. A fonte da morte e do renascimento, portanto.

Ainda durante nossa visita à fonte de Noorbeek, sentimos claramente a ligação com a Deusa, a fonte é muito natural e límpida, intocada mesmo após anos de uso. Nós fizemos nossos pedidos e jogamos nossas "oferendas" na água. Também colocamos laços nos galhos das árvores que crescem ao redor da fonte, um costume que neste lugar (ao contrário de outros lugares da Holanda) é bem comum. Finalmente, desenhamos uma Brigitcross no calcário da fonte. A Deusa Brígida, em nossa opinião, retomou seu lugar.

E no que concerne os outros costumes em Noorbeek em relação à Deusa Brígida, segue-se:

Um dos animais totêmicos da Deusa Brígida é a vaca branca com orelhas ruivas, que representava, como já foi dito, a fertilidade do aspecto materno. A associação de Brígida com a vaca é muito mais antiga que a história em torno da Santa Brígida.

Seria muita coincidência considerar que a decoração do pinheiro, cujos galhos são podados até o topo, aconteça perto do dia 1 de maio, ou seja, no 2o domingo após a Páscoa. Adicionando-se a isso o fato de que a decoração tem de ser feita pelos jovens solteiros e que no passado as moças solteiras eram tocadas por galhos, aponta para um antigo costume de Beltane de dançar e "fazer a corte" à volta do Mastro de Maio (May Pole), o que sugere o aspecto "amante" de Brígida.

Para finalizar, quero fazer uma pequena mudança de rumo em direção a Geldrop, que fica a leste de Eindhoven. A igreja que recebe o nome de Brígida é a maior igreja de cúpula no centro de Geldrop.
Atualmente, os costumes aqui foram resumidos em um especial "Dia de Brígida" (Brigidadag) em 1o de fevereiro, mas para mim esse continua sendo um lugar extrordinário, fortemente ligado à Deusa.

Durante minha visita à Igreja de Brígida, pude experimentar uma energia feminina muito forte e dominante, muito mais do que em qualquer outra igreja (e eu já estive em muitas...). Talvez pela forma arredondada do centro (cúpula) da igreja, onde imediatamente abaixo da qual um tapete redondo com a imagem do céu e da Terra foi colocado ou talvez ainda pela notável quantidade de imagens femininas, principalmente Anna, Maria (há também uma bonita capela de Maria, que é "acoplada à igreja) e mesmo de Maria Madalena.

Talvez porque aqui Brígida também esteja muito presente, seja em imagens, em estandartes que apontam para Kildare ou seja em símbolos, como as cruzes na forma de Brigitcrosses ou então talvez porque aqui há uma notável imagem, que para mim só pode ser uma representação da Deusa Brígida: Com cabelos soltos (e portanto claramente não a devota religiosa), um carneiro aos seus pés como símbolo de Imbolc e em suas mãos um bula medicinal, o símbolo da cura.Mas isso não importa. É ótimo que existam lugares na Holanda onde podemos experimentar sua divina energia feminina, onde reencontramos a Deusa em nosso país. E eu espero que, com esse artigo, eu tenha ajudado um pouco vocês a achar o caminho.

MARION VAN EUPEN

Nota: Esse artigo foi escrito por Marion van Eupen, após sua viagem,feita em companhia de outras mulheres do Godinnentempel, à região sul dos Países Baixos (Limburg e Maastricht). A tradução respeitou o uso dos nomes da Deusa Brigid pelas sacerdotisas da Holanda, ou seja, Brígida.

Marion van Eupen em suas palavras: "Como Sacerdotisa de Brigit-Anna, estou ligada ao Godinnentempel (Templo das Deusas) em Hillegom e à paisagem da Holanda. Juntas tentamos novamente celebrar as antigas tradições da Deusa, originárias das regiões celtas, germânicas e normândicas, de uma madeira nova e moderna. Há tantas coisas valorosas que se perderam ou que nunca foram entendidas E há tantas coisas lindas para serem novamente experimentadas em conjunto. O feminino ( "moederland" - pátria mãe) deve primeiro ser novamente reconstruído para, depois, juntamente com o masculino ("vaderland" - pátria pai *), crescermos e formarmos um grande UM ("het mensenland" - a pátria humana). Nós convidamos você para juntas descobrirmos, experimentarmos, crescermos e celebrarmos. Com amor, luz e sorrisos, Marion.

*na Holanda usa-se, sempre, "vaderland"- pátria pai - ao se dirigir ao país. (n.t. )

Traduzida por Renata Almeida de Queiroz, freqüentadora do Godinnentempel. Renata é uma querida SIG, brasileira, mas que mora na Holanda.

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Origem de alguns nomes de flores


Não é à toa que todo mundo gosta de ganhar flores. A palavra, que na botânica dá nome ao órgão reprodutor dos vegetais superiores (com raiz, caule, folha, flores e sementes), vem do latim floris (genitivo de flos) e significa “a parte mais vigorosa”, “brilho” e “beleza”.

AZALÉIA = O termo vem do latim azálea, derivado do grego azaléos, que tem o sentido de seco, árido e ressecado, como a planta que nasceria da terra seca. Em Portugual, escreve-se azálea.

CRAVO = Provém do latim clauus, que designa prego ou cravo. O nome da flor foi posterior à denominação da especiaria cravo (proveniente do botão dela), de formato similar ao de um prego.

DÁLIA = O nome desta espécie é uma homenagem ao botânico sueco Anders Dahl (1751-89), que a levou do México para a Europa no ano de 1789.

HORTÊNSIA = A denominação desta flor chinesa é uma homenagem que o naturalista francês Commerson fez a Hortense Lepaute, nome da esposa de um amigo seu. Commerson foi quem trouxe a planta para o Ocidente, batizada por ele a princípio de “lépautia” (o sobrene de Hortense).

GARDÊNIA = Nativa da China, esta planta recebeu do pai da Botânica, o sueco Carl Lineu, o nome latino gardenia. O feito, ocorrido em meados de 1700, foi uma homenagem ao amigo, médico e botânico escocês Alexander Garden.

MAGNÓLIA = O nome desta flor foi estabelecido em 1703 pelo botânico francês Charles Plumier, em homenagem ao também botânico francês Pierre Magnol (1638-1715).

MARGARIDA = O nome desta flor deriva do latim margarita, cujo significado é “pérola”. Este termo, por sua vez, vem do grego margarites, que designa pedra preciosa ou a própria margarida, flor bastante comum no Egito.

MARIA-SEM-VERGONHA = O termo, tipicamente brasileiro, foi utilizado para designar esta espécie por causa de sua facilidade de proliferação. As sementes ficam guardadas em cápsulas que, sob pequenos estímulos, explodem e se espalham para logo germinar e gerar novos exemplares. Em latim, tal característica rendeu-lhe o apelido de impatiens (impaciente), denominação de seu gênero no meio científico.

NARCISO = Vem do latim narcissus, proveniente do grego narkissos, que denomina esta flor e o personagem mitológico de mesmo nome. Reza a lenda que Narciso foi condenado a se apaixonar pela própria imagem refletida nas águas de uma fonte. Como não conseguia jamais aproximar-se de sua imagem, chegou ao desespero e depois à morte. O vaidoso personagem, então, teria se transformado na flor que traz seu nome.

ORQUÍDEA = O nome desta flor vem do radical latino orchid. Tal denominação, nesta língua, significa testículos e foi utilizada pela primeira vez pelo filósofo grego Theophrastus (371-287 a.C.), que comparou as raízes tuberosas de algumas dessas plantas com o formato de testículos.

ROSA = Vem do latim rosa, derivado do grego rhódon. O mesmo termo serviu de origem ao nome do metal ródio, uma vez que algumas de suas soluções têm coloração rosa.


Fonte: DUARTE, Marcelo. O Guia dos Curiosos – Língua Portuguesa. São Paulo: Panda Books, 2003.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Afrodite e as Flores


Entre as Graças, Tália, a Florescência, coroa a Deusa com flores e lança pétalas de rosas a seus pés. Sempre me senti fascinada pelo simbolismo oculto no enredo dos mitos. Que Afrodite, a Deusa do amor sexual e da beleza, seja também a Deusa das flores parece-me ser o tipo de evidência que se percebe quando o pensamento mítico penetra a mente. Não são as flores os mais belos órgãos sexuais do universo? Muitas não são as imagens e expressões que associam o sexo feminino às flores e, acima de tudo, com a cor da rosa, rica em colorido e perfume, com as pétalas abertas lembrando a maciez da carne? Para completar sua participação no mito de Afrodite, a rosa apresenta espinhos dolorosos, o que enfatiza, no risco de picar-se, o sofrimento inerente a todas as paixões sexuais.

Ocupar-se de flores, ou criar um jardim agradável, do mesmo modo que fazer amor ou “enfeitar-se” – todas essas são maneiras de honrar Afrodite. Os jardins expressam a sensualidade da cultura, um tipo de sensualidade que oferece a vantagem de ser isenta de ansiedade para aqueles cuja bagagem educacional, ou idade, os levou a ignorar a vitalidade sexual. Na Inglaterra, por exemplo, a jardinagem parece ser a mais domesticada das paixões. Os ingleses devotam-se a essa tarefa do mesmo modo que alguém se dedica ao amor: apaixonadamente e para sempre. A jardinagem é uma das maiores expressões pela qual os britânicos evocam Afrodite sem medo ou segundas intenções. Na Inglaterra, tanto os homens quanto as mulheres se emocionam com a graça dos jardins e paisagens, porém, embora seja permitido às rosas crescerem sobre as casas, raramente vi uma mulher inglesa ousar pôr uma rosa nos cabelos. Para ela, isso pareceria um gesto sedutor impróprio. Afrodite pode ficar no jardim, pois ali ela será honrada sem ansiedade e sem limite.

Encontra-se no jardim inglês um cuidado extremo e admirável em dissimular qualquer sinal de artifício, como se a manutenção impecável de um jardim de flores e o trabalho demorado e elaborado do jardineiro devessem ficar invisíveis, sendo a intenção permitir à beleza natural que se expresse, como se todos esses arbustos e todas essas flores tivessem crescido ali espontaneamente. As marcas da disciplina impostas à natureza pela mão do jardineiro desapareceram. Este equilíbrio entre a natureza e a arte é, exatamente, o que agrada Afrodite. “A bela e venerável Deusa que, em torno de si, e sob seus pés luminosos, leva a grama a crescer”, concede sua graça aos ingleses por seus gramados e jardins, porque, instintivamente, compreendem a mediação correta entre natureza e cultura, sendo a jardinagem um tipo exemplar de mediação.

A arte dos perfumes é outro exemplo desse trabalho de mediação. Pode-se desfrutar o perfume de uma flor em seu estado natural, como a amante desfruta o perfume natural da pessoa a quem ama; mas pode-se, igualmente, apreciar a sutileza dos perfumes e dos refinamentos resultantes da destilação. A arte da perfumaria, ao capturar o perfume natural das flores, associa as mulheres e as flores, novamente. Para os gregos da Antiguidade, o sentido do olfato era um meio de comunicação com o Divino. Sua concepção de sacrifício incluía a idéia de que o odor das oferendas e das ervas aromáticas que temperam a carne era agradável aos deuses. Atribuíam um valor igualmente alto aos perfumes florais, que associavam à paz, à alegria e à sensualidade; e considerava-se Afrodite responsável pelo odor tanto do corpo das mulheres quanto das flores. Certas plantas com odores muito fortes, como a hortelã e a mirra, foram também associadas a ela ou a seu amante, Adônis.

PARIS, Ginette. Meditações Pagãs. Tradução de Sonia Maria Caiuby Labate. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-7.


Digitei este texto porque ele conseguiu reunir várias das minhas paixões: Afrodite, flores, ervas, cultura inglesa, perfumes... Sim, estou aguardando a primavera com ansiedade!

Once I learn to love myself...

Eu sempre acho algo no Post Secret que tem a ver comigo... O Post Secret é um blog para o qual as pessoas mandam seus segredos. Tudo é anônimo lá. Sei que já saiu um (ou mais, sei lá) livro com as melhores cartas enviadas.

Um dos casos que eu não esqueço foi um em que o cara jogou uma aranha em cima da irmã, quando ambos eram pequenos, a aranha era venenosa, picou a menina e até hoje (vinte e tantos anos depois) a menina não anda. O "segredo" é que ninguém da família dele sabe que foi ele quem jogou a aranha na menina.

Dê uma olhada em postsecret.blogspot.com/ toda segunda-feira, quando o blog é atualizado.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Árvores no trabalho

Anteontem voltei de férias. No condomínio onde trabalho, tenho a sorte de estar rodeada por árvores e plantas. Desde que cheguei lá, há um ano e meio, só vejo plantarem mais e mais árvores.

Tá certo que muitas delas são para fazer sombra nos carros que ficam no estacionamento, mas ainda assim acho melhor plantar árvores do que construir telhados de concreto ou plástico.

Ontem, na hora do almoço, levei um susto. Dei até um gritinho e assustei as amigas (rs): eles estão catalogando as árvores do condomínio. Lindo!

Já puseram plaquinhas na pata-de-vaca, no eucalipto... Com nome científico e países de origem.

Estou louca pra fazer umas fotos e mostrá-las aqui para vocês em breve!

Ah, e se você curte fotografar árvores, se liga nesse concurso: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/cultura/conteudo_290100.shtml

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Quem sou eu?


Estava agora mesmo comentando com uma pessoa o quanto é bom termos uma certa atitude e, depois, ver que agimos "corretamente", seja em um livro ou uma entrevista. A sensação de termos nossa ação validada por outros é boa para mim, libriana que quer ser aceita por todos (rs).

Há algum tempo, comentei com minha amiga Tinnekke que eu não gostava do athame e que nem mesmo tinha um. Ela me perguntou o motivo e eu não soube responder.

Depois de alguns meses, estava lendo um blog e a autora dele dizia que não gostava do athame também. Ela dizia que o athame lembrava um pênis e também uma arma. Como feminista e pacifista, acho que não preciso dizer o quanto me senti aliviada com a explicação dela.

Também sempre digo para minha amigas on-line que eu não sou pagã e nem wiccana. Para algumas, é difícil entender como não posso ser pagã. Outras me aceitam numa boa (olha a libriana aí, gente!).

Na semana passada fui viajar e levei um texto sobre as diferenças entre ser bruxa e ser pagã. Mais uma iluminação eu tive!

Lá dizia o autor (ou autora, não dava pra saber, pois peguei da Internet) que a bruxaria era a celebração do princípio feminino. Bingo 1!

Mais para frente, dizia que as bruxas tradicionais mais antigas não tinham conexão com deidades ou religiões, e também que para elas as artes curativas, os métodos divinatórios e a magia não tinham nenhuma conexão com religião ou rituais. Bingo 2!

O grupo com o qual eu mais identifico é o dianismo. Mas aí eu caía em contradição: o nome do negócio é “Dianic Wicca”, e eu não me considero wiccana!!!

Pois nem mesmo nesse aspecto o texto deixou a desejar. Ele diz que o termo “Dianic Wiccan” é uma contradição por si só, pois “wicca” significa masculino e “wicce”, feminino. Como pode uma tradição feminista ser denominada por algo masculino? Bingo 3!

Eu respeito muito as pessoas que me cercam e são pagãs, pois eu aprendo muito com elas diariamente, mas eu não sou. Sou uma pessoa eclética e nem mesmo posso ser considerada uma dessas “bruxas tradicionais” de que o texto fala, pois os cadernos em que anoto minhas experiências são consideradas “livros das sombras” (prática wiccana) e eu também adoro aprender sobre e me conectar com deusas (prática pagã).

Mesmo sem saber a fonte, o texto foi fundamental para eu poder definir quem eu sou e quais são minhas práticas.

domingo, 13 de julho de 2008

Ferramentas mágicas - Alguns toques



Hoje eu gostaria de dar dicas sobre algumas ferramentas mágicas no uso de ervas. São muitas as ferramentas, mas destacarei aqui só algumas, isto é, aqueles usos que não são tão óbvios, mas igualmente importantes.

Eu não tenho uma ferramenta para moer ervas (ainda!). E foi com felicidade que, numa aula da Ayesha, ela me informou que eu podia usar a... centrífuga! Sim, aquela que você tem na cozinha! Mas eu ainda prefiro usar o liqüidificador. Aí vem a dica: toda vez que for usá-lo para moer ervas com objetivos mágicos, limpe-o depois. Você pode colocar uma mistura de álcool e água no liqüificador e ligá-lo por alguns segundos. Depois, jogue essa mistura fora e seque com toalha de papel ou mesmo um pano de prato. Isso irá remover óleos ou extratos da erva, odores ou mesmo vibrações que a planta tenha deixado lá.

Para fazer suas poções, é bom usar sempre recipientes de vidro, pois as ervas podem pegar as impurezas de recipientes plásticos.

Geralmente, nos livros sobre magia herbal, diz-se para usar colheres de madeira. Você pode também usar colheres de plástico (se bem que a poção pode pegar as impurezas do plástico, como dito acima), mas as ideais são as colheres de metal. Please, sempre mantenham suas colheres mágicas separadas daquelas de uso diário!

Até outro dia, eu usava o mesmo funil da minha cozinha para trabalhar com as ervas mágicas. A dica é a mesma das colheres: separar um funil para suas práticas mágicas.

Eu mantenho um caderno de anotações somente para minhas práticas mágicas herbais. O que podemos colocar nele? Um roteirinho:

* descreva a poção que você fez

* como você a fez

* a data em que você a fez

* motivo

* informações sobre as ervas utilizadas

* quantidades

* efeitos

* se teve sucesso ou não com ela

* e o que mais lhe vier à mente.

Essas dicas foram baseadas num material que recebi de um curso de herbalismo mágico que fiz. Lá não é citada a fonte das informações, por isso não o faço aqui.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Férias com as plantas


Primeiro dia de férias. Eu e a família fomos até Santana de Parnaíba, uma cidadezinha histórica bem perto da capital. Na volta do passeio, vamos até uma loja de paisagismo e eu levo para casa minhas novas amiguinhas:


* 2 pezinhos de alecrim

* 2 mudas de berinjela (eu não gosto de berinjela, mas quero que meu filhote veja como se desenvolvem os alimentos que ele consome)

* 1 mudinha de espinafre

* 1 pé de azevinho (esta para decorar, não para comer)

* 3 pezinhos de morango

* 1 pé de manjericão

* 1 muda de lavanda

* 2 pezinhos de hortelã - que meu filhote adora

* 1 muda de tomilho-limão (esta eu não conhecia!)

* funcho

* cebolinha

* tomate

* coentro


Chegamos em casa, meu marido comprou três tábuas e fizemos prateleiras para elas morarem. Ele também trouxe tinta marrom e eu pintei as três prateleiras com todo carinho do mundo.


À noite, eu e ele percebemos que as prateleiras tinham ficado muito perto do corredor, corremos para o quintal e colocamos as coitadinhas num cantinho, pois achamos que elas estavam com frio (rs).


Sete dias depois, já estão nascendo brotinhos. Que elas possam permanecer durante o tempo que precisarem em nossa família verde!!!!!

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Mulheres e Alimentação no Globo Repórter

Estava eu em casa, numa dessas sextas-feiras da vida, quando vi a chamada para o Globo Repórter: seria um programa sobre mulheres e alimentação. Pirei na hora!

No primeiro bloco do programa, o programa mostrou uma mulher, empregada doméstica, que precisou fazer alterações na alimentação da família de acordo com sua renda.

Na casa dela não entrava mais tomate, e sim coloral. Em vez do feijão, que andava muito caro, ela havia inserido na alimentação dos familiares a lentilha (pensei comigo que a lentilha é mais cara do que o feijão, mas depois percebi que talvez ela renda mais e esse tenha sido o motivo da escolha).

Outra medida adotada por ela foi não usar mais óleo na alimentação. Apesar de ter sido uma opção por falta de dinheiro, ao mesmo tempo é bastante saudável e ela disse ter não sentido falta do óleo na hora de preparar o arroz, por exemplo.

Fiquei triste porque queria que as mulheres só precisassem fazer esse tipo de substituição por opção de saúde, e não por motivos econômicos. Mas ao mesmo tempo fiquei feliz em ver a força da mulher, que faz de tudo para continuar alimentando sua cria e sobrevivendo.

Depois, mostraram um grupo de mulheres, de uma região pobre em Minas Gerais, que se junta todo mês e vai para o centro de abastecimento de hortifruti da cidade e compra produtos mais baratos, com a ajuda dos comerciantes que lá trabalham. Elas mesmas negociam com os comerciantes (é bom lembrar que ganham vários “nãos” na cara) e carregam os sacos pesados na cabeça até o ônibus que as leva até lá. Quando voltam para casa, têm comida não somente para elas, mas também para as outras que lá ficaram e, muitas vezes, passam fome.

Num outro bloco, mostrou-se uma família que produzia tudo aquilo que comia. Belo exemplo, mas difícil para quem mora na cidade. Também foram mostradas feiras de troca de alimentos orgânicos.

Depois, fizeram uma entrevista com uma nutróloga, que deu dicas de ervas e alimentos que precisam estar em nossa alimentação, bem como o que estes podem fazer por nosso organismo:

* manjericão = ajuda no processo de envelhecimento
* hortelã = é boa para digestão e enxaqueca
* louro = baixa a glicose do organismo
* alecrim = bom para a memória
* espinafre = ajuda no crescimento das crianças (lembrou do Popeye?)
* repolho = fornece fibras para nosso corpo
* abóbora = ajuda quando temos náuseas
* jiló = desintoxicante do fígado
* chuchu = fortalece os ossos e é bom para o intestino
* banana
* abacaxi
* laranja
* mandioca
* inhame
* uva

O programa foi além, mas meu sono foi maior (rs) e eu caí no sono.

O link para assisti-lo: http://globoreporter.globo.com/Globoreporter/0,19125,VGC0-2703-19874-3,00.html

Danielle Sales

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Os abraçadores de árvores


Com tanto desmatamento, destruição dos vários biomas terrestres brasileiros, como a Floresta Amazônica, o Cerrado, a Mata Atlântica, a Caatinga... no geral, não há efetivamente um movimento no Brasil como os "abraçadores de árvores"? Será que está em extinção por essas bandas os ecologistas de ação direta? O ecologismo politicamente correto, oficialista, dos tribunais "públicos", domesticou a radicalidade? Talvez eu esteja dando voltas sobre o mesmo assunto. É que as coisas não mudam... Mas...

Um pouco de história para inspirar...

Os abraçadores de árvores é um dos mais notáveis e originais exemplos de ação direta. Já nos anos 20, na Califórnia, nos EUA, surgiu um grupo de mulheres, as ladies conservationists (senhoras conservacionistas), que se acorrentava nas árvores para impedir a ação dos madeireiros.

Mas foi a partir do movimento Chipko nos anos 70, quando as mulheres das aldeias himalaias do norte da Índia decidiram abraçar-se às árvores para impedir a ação das madeireiras que o movimento ganhou força. Estimulados por vários grupos ambientalistas internacionais, o movimento conseguiu um certo sucesso e bastante impacto junto à mídia.

O acontecimento deu origem a outros movimentos de abraçadores de árvores (tree-huggers) ao redor do mundo. No fim da década de 80, na Austrália, um grupo, de pessoas subiu nas árvores para defender a última floresta de eucaliptos nativos do mundo, ali ficando por vários dias. Com a ajuda do efeito de suas ações na imprensa, os abraçadores conseguiram rescindir o contrato do governo australiano com as madeireiras japonesas.

Nos anos 90, na Inglaterra, surgiram os tree-sitters, ou dongas, com outra estratégia: se algemar nas árvores, se acorrentar nas pedras ou acampar na região a ser atingida, para impedir a construção de anéis rodoviários que atravessariam áreas de proteção especial.

Os acampamentos dos sitters (numa tradução livre, "os pregados no chão") duraram vários anos, provocando uma reação violenta das autoridades inglesas, que acabaram expulsando-os na força.
Em 1997, um caso que repercutiu muito na imprensa internacional foi o da estadunidense Julia Borboleta Hill, que passou dois anos vivendo em cima de uma árvore à qual deu o nome de Luna, numa tentativa de frustrar os planos da madeireira Pacific Lumber de destruir uma floresta de sequóias da Califórnia.

Outro fato recente que ganhou espaço na mídia, em 2006, envolveu a cantora Joan Baez, que juntamente com Julia, subiram no topo de uma árvore em uma tentativa de evitar a demolição de um horto comunitário de 14 acres com frutas e vegetais no sul de Los Angeles.

Hoje, este tipo de ação direta continua à mil em várias partes do mundo. Entre no site da Earth First! (www.earthfirst.org) que terás muitas notícias atualizadas.


Moésio Rebouças
Fonte: Terra

terça-feira, 17 de junho de 2008

Para quem não gosta de chá


Sim, tem gente que não gosta de chá (como a Kytanna - rs). Veja o que a jornalista Sílvia Dalpicolo escreveu sobre isso:

Assim como há as pessoas que adoram chá, há também os que não gostam de seu sabor. Mas isso já não é mais problema. É possível misturá-los com frutas e outras ervas sem que percam suas propriedades, e hoje, ainda existem os chás aromatizados e até mesmo em cápsulas. “Os aromáticos são boas opções para quem tem intolerância ao sabor do chá. Tem bebidas com gosto de morango, baunilha, coco e muitos outros”, diz a especialista em chás, Carla Saueressig.

Para quem prefere fazer uma mistura caseira, Patrícia Soares sugere acrescentar frutas como maçã, abacaxi, morango e cítricas, ou combiná-lo com erva cidreira, canela, hortelã e gengibre. Uma dica é consumir chá gelado com limão e folhas de hortelã.

Há ainda as versões em pó, mais fácil de fazer – basta misturar o pó na água quente – mas que não tem a mesma “potência” do efeito das infusões.

Se mesmo assim a bebida não agrada, uma alternativa são as cápsulas de chá que conservam suas propriedades antioxidantes. Mas atenção: a cápsula só deve ser consumida com a prescrição e orientação de um médico especializado ou de um nutricionista.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Rose Marie Muraro


Coincidentemente, bem neste momento em que leio Educando Meninos e Meninas para um Novo Mundo, foi-me pedido, por Nana Odara, do blog "Lealdade Feminina", que fizesse uma homenagem a Rose Marie Muraro em meu blog, haja vista que ela esteve internada por 20 dias e agora retorna a sua casa para se recuperar de uma cirurgia.

Para conhecer melhor um pouco da vida e da obra dessa maravilhosa feminista brasileira, clique nos links a seguir:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rose_Marie_Muraro

http://marieclaire.globo.com/edic/ed106/rep_rose1.htm

http://prettydolleyes.blogspot.com/2007/08/reportagem.html

http://www.metodista.br/ppc/mandragora/mandragora-07-08/entrevista-com-rose-marie-muraro/

http://rosemariemuraro.blogspot.com/

Que Rose tenha sua saúde estabelecida em breve e continue nos brindando com suas ótimas obras feministas!



quinta-feira, 5 de junho de 2008

Hoje é Dia do Meio Ambiente!


Desde que sou pequena, no dia 5 de junho, eu olho para a pessoa do meu lado (meu marido, colegas de trabalho, colegas de escola/faculdade) e digo:

Hoje é o Dia do Meio Ambiente!

No dia 21 de setembro, também falo:

Hoje é o Dia da Árvore!

Não sei o motivo de eu ter gravado essas duas datas, mas hoje o ritual se repetiu.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

A Temperança - Motherpeace


Minha última carta da Lua Minguante foi A Temperança. A seguir, destaco alguns trechos relacionados a esta carta que tirei do livro “Mãe paz” e que me fizeram refletir muito:

* A sacerdotisa da Temperança personifica as artes curativas e mágicas inatas ao sexo feminino. (...) Trata-se da mulher feiticeira.

* Embora tenha sido a Igreja Católica que as suprimiu e aniquilou, a caça às bruxas “coincide” com a ascensão da carreira médica masculina. A ciência da cura que sempre fora terreno das mulheres passou a ser de domínio majoritariamente masculino.

* Mulheres habituadas a confiar em parteiras sábias munidas de conhecimento efetivo e seguro sobre temas como controle de natalidade, aborto, gestação e parto, foram abruptamente relegadas ao “cuidado” de machos que as consideravam impuras, contaminadas, asquerosas, indignas de tratamento adequado e merecedoras, talvez, da dor que lhes era imputada. Os novos doutores citavam passagens bíblicas referentes ao “pecado original” para convencer as mulheres de que deveriam aceitar e submeter-se a partos dolorosos.

* E cirurgiões ostentam uma notável avidez por aliviar as mulheres de órgãos como seios e úteros, precisamente os símbolos de seu antigo poder.

* Quando as mulheres não dançam para a Deusa, as energias acumuladas represam-se na forma de depressão ou eclodem como um impetuoso vulcão. A Temperança, assim como a Deusa Vulcânica Pele em seu período inativo, rememora às mulheres sua habilidade natural de equilibrar e harmonizar as energias da terra e do céu, do corpo e da mente, do homem e da mulher.

* Talvez você sinta um chamado para curar alguém ou aplicar sua energia em prol de terceiros. Você se acha imbuído do dom de cura; pode e deve sentir-se livre para canalizar ajuda a outrem, desde que conserve a neutralidade e não permita que seu ego se apegue a esse poder. (...) Sinta-se livre para aplicar esse poder com sapiência.

Isto é Anarco-Herbalismo

Pensamentos sobre Saúde e Cura para a Revolução

Por Laurel Luddite

Minha caixa de remédios é um conjunto de biorregiôes. Cada pote de plantas contêm uma história (muitas vezes uma história triste de ecossistemas sendo extintos, ou lugares que não existem mais). Me sinto honrada por ter conhecido plantas em seus locais de origem e ter estudado seus usos como medicamentos. Mas para as pessoas que não têm muita sorte em perambular por locais selvagens e distantes, adquirir preparações fitoterápicas, como tinturas, pode ser um elo de ligação com esse tipo de cura.

Como muitas coisas dessa sociedade de consumo, é fácil ignorar as conexões entre uma garrafa em uma prateleira de uma farmácia e uma planta viva, crescendo em algum lugar do mundo. Pode ser difícil saber se a planta cresce a um quilômetro de distância ou em outro continente. Há muita coisa para se dizer sobre nos reconectarmos, e nos reeducarmos sobre as ervas que usamos e colher nossos medicamentos quando pudermos. É assim que conseguiremos construir todo um novo sistema de cura - um que pode nos encorajar e nos ajudar a distanciarmos da estrutura de poder corporativo que a medicina se tornou.

O desenvolvimento de um novo sistema médico, ou a restauração dos modelos antigos, será mais um reforço em nossa rede de segurança para quando o industrialismo falhar. Ela nos manterá vivos e ativos agora, nos últimos dias do sistema, quando tantas pessoas não possuem acesso à medicina industrial, e irá restabelecer nossa conexão com a medicina real, que é a Terra.

Uma alternativa à "medicina alternativa”

O tipo de medicina fitoterápica popular que existe hoje (apresentada pela mídia e os capitalistas verdes como uma outra empolgante moda passageira) trouxe com ela um vago conceito sobre um novo método de cura. As plantas, reduzidas à cápsulas, ou pior ainda, aos seus "ingredientes ativos", são apenas novas ferramentas com que se trabalhar, na mesma concepção que a medicina industrial vê as pessoas, vendo seus corpos como máquinas. Elas se tornam o mesmo que drogas farmacêuticas ou um bisturi: algo para intrometer no corpo-máquina, para bagunçá-lo por dentro. Exceto, é claro, que isso se torna muito menos eficaz, já que as ervas foram retiradas do sistema de cura do qual elas possuem sua energia.

Quando os vendedores de produtos fitoterápicos conseguem uma nova "cura milagrosa", isso pode significar a extinção para a planta. Isso é triste principalmente quando tantas criaturas vivas tornam-se produtos inúteis ou são desperdiçadas em doenças que elas não curam. (Alguém já viu aquele xampu de Equinácea?) O exemplo clássico disso é o Hidraste, (Hydrastis canadensis), uma planta beirando a extinção na natureza. Ela tem alguns efeitos impressionantes no corpo humano mas em sua maior parte tem sido comercializada como uma cura para o resfriado, o qual essa planta não ajudará em quase nada. A propósito, os maiores comerciantes de Hidrastes colhidos na natureza e muitas outras ervas famosas são as corporações farmacêuticas multinacionais. Dada a obsessão da sociedade americana com o Viagra fitoterápico, pílulas de emagrecimento, e estimulantes, a maioria das ervas no mercado estão sendo sacrificadas para essas causas ridículas.

Existe uma alternativa para a "medicina alternativa". Michael Moore, um herborista, autor e professor do sudoeste americano expressou da melhor forma em uma de suas divagações recentes de uma palestra: "Neste país, o negócio fitoterápico gira em torno de substâncias comercializadas recentemente com novas pesquisas, e elas vem deles até nós. Considerando que estamos tentando estabelecer o máximo possível o fato de que nós precisamos de criar uma prática e um modelo que é impenetrável às modas. Nós estamos tentando praticar de uma forma que vem da prática em vez do marketing. Não vindo de cima até embaixo, mas de baixo para a nossa volta. Biorregionalismo acima de tudo. Mantenha-se local. Sem centralização porque a centralização mata tudo."

Herba-Primitivismo

Então nós precisamos de outro maneira de olhar os nossos corpos e as plantas medicinais. Observar os dois como interconectados e em equilíbrio é algo novo para a cultura industrial, mas na verdade é o modelo de cura mais antigo na terra. Nós o conhecíamos antes de sermos pessoas. Os animais sabem como usar plantas para se curarem. Seus exemplos nos rodeiam, desde cães comendo grama até ursos cavando raízes Osha. Provavelmente todas as sociedades humanas tiveram alguma forma de explicar como o corpo funciona e como as plantas medicinais agem em nós.
Uma coisa que todos os herboristas sabem - cães e ursos incluídos - é que um problema de saúde é melhor tratado antes dele começar. Nas sociedades mais primitivas onde as pessoas têm o luxo de ouvir seus corpos é mais fácil identificar um desequilíbrio antes dele se tornar em um estado de doença grave. É aqui que as ervas são mais eficientes. Elas funcionam nesse nível sub-clínico (e portanto invisível para a medicina industrial) de "desequilíbrios" e "deficiência" e "excesso".

Esse sistema velho e novo é sutil e requer uma grande quantidade de auto-conhecimento, ou pelo menos auto-consciência. Ele usa a intuição como uma ferramenta de diagnóstico. A emoção, espiritualidade, e o ambiente tornam-se remédios. O espírito e o ambiente das plantas que nós colhemos afeta suas propriedades curativas, e nosso relacionamento com essas plantas se torna muito importante.

Herbologia Verde

Quando tomamos medicamentos fitoterápicos nós estamos em parte tomando o ambiente da planta. Tudo o que ela comeu e tomou e vivenciou formou o medicamento que você está dependendo, então é melhor que você se certifique que ela tenha do melhor. Quando somos curados por plantas, nós ficamos devendo à elas tomar conta de suas espécies e dos lugares que elas vivem. Coletores de plantas tradicionais geralmente têm uma prece que recitam antes de retirar qualquer coisa da natureza. Eu geralmente digo algo em torno de "Ok, planta. Você me cura e eu tomo conta de você. Ninguém irá construir em cima de você, ou te cortar, ou pegar muitas enquanto eu estiver por perto." Então esse sistema de cura verdadeiro tem em seu coração um ambientalismo profundo e um comprometimento com a Terra.
O conceito biorregional é importante para esse modelo de cura. As ações das plantas em nossos corpos são realmente bem limitados pelos elementos químicos que elas podem produzir da luz do sol e do solo. Para cada erva famosa no mercado que é cortada das florestas tropicais ou cavadas das montanhas, existe provavelmente uma planta com uma ação similar crescendo em sua bacia hidrográfica. Alguns dos melhores remédios para manter uma boa saúde crescem em lotes vagos e jardins negligenciados por todo o mundo.

Anarco-herbalismo

Uma sociedade de pessoas que são responsáveis pelas suas próprias saúdes e estão aptas a coletar ou cultivar seus próprios remédios é uma sociedade difícil de governar. Nesses dias nós estamos dependentes na estrutura de poder do sistema de saúde industrial - a sociedade secreta dos doutores, as escolas de medicina dominadas por pessoas brancas do sexo masculino, os tomadores de decisões corporativos com seus farmacêuticos tóxicos e ganância sem coração e laboratórios cheios de seres torturados. Essa dependência é mais uma coisa nos mantendo presos ao Estado e incapazes de nos rebelarmos com todos os nossos corações ou até mesmo visualizar um mundo sem tal opressão. Com um novo sistema de cura, baseado em auto-conhecimento e na sabedoria de ervas, nós seremos muito mais livres.

Oferecer uma alternativa real ao sistema de saúde irá ajudar a acalmar alguns dos medos das pessoas sobre retornar a um modo de vida anarquista, centrado na Terra. Existe uma falsa segurança nos homens com suas grandes máquinas, prontas para te colocarem de volta (se você tiver dinheiro o suficiente. O que é ignorado é o fato de que a sociedade industrial causa a maior parte das doenças que as pessoas temem. Vivendo livres em uma Terra que cura enquanto somos cercados por uma comunidade verdadeira e nos alimentamos de um alimento real provará ser um remédio melhor do que qualquer coisa que você pode comprar.

Que passos devemos tomar agora para criar esse novo sistema de medicamentos? Nós todos precisamos aprender o que podemos sobre nossa própria saúde. Isso pode ser pelo treinamento em um ou mais de um dos modelos de sobrevivência da cura tradicional e/ou pela auto-observação. Como você se sente quando você está começando a ter um resfriado? Que tipos de problemas aparecem repetidamente, principalmente quando você está estressado? Se você é uma mulher, qual a duração do seu ciclo e como o sangue se parece? Entendendo como os nossos corpos agem em tempos saudáveis pode nos ajudar a reconhecer os estágios iniciais de doenças, que é quando as ervas são mais proveitosas.

As pessoas que possuem alguma experiência em curas (no sistema tradicional ou industrial) podem ser de grande ajuda para aqueles de nós que estamos apenas aprendendo. Os curadores que estão trabalhando para formar este novo modelo, seja coletivamente ou por suas práticas individuais, devem ter em mente que o compromisso com a Terra e uma forma descentralizada são centrais para a medicina realmente revolucionária.

Nestes tempos de mudança, tudo está sendo examinado e ou destruído e reconstruído, ou criado de nossos corações. O industrialismo tem afetado todos os aspectos de nossas vidas - nós estamos apenas começando a perceber o quanto foi perdido. A medicina é somente uma parte da máquina que nós temos que tomar de volta e recriar em uma forma que funciona para a sociedade que nos tornaremos. Toda erva, pílula, e procedimento devem ser julgados pela sua sustentabilidade e acessibilidade para pequenos grupos de pessoas. Nós podemos começar com nós mesmos, dentro de nossas comunidades e círculos, mas devemos nunca pararmos de expandir até que a medicina industrial enferruje em um túmulo esquecido, uma vítima de seus próprios desequilíbrios.

Publicado na Green Anarchy #16 (Back to Basics Vol.3 - Rewilding)

PS: Não sei de quem é a tradução, senão daria o crédito a quem disponibilizou este magnífico texto em português!