segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Feitiço para prosperidade com ervas

Coloque terra em uma tigela. Misture nessa terra três colheres de sopa de suas ervas para prosperidade favoritas (você pode usar alfafa, camomila, canela, manjericão, gengibre, folha de manga, sálvia, açafrão...). 

Segure a tigela com as duas mãos, como se estivesse segurando a tigela em um formato de concha, e coloque mentalmente nessa terra todas as suas necessidades financeiras. 

Coloque uma pedra que tenha sido espiritualmente limpa em cima dessa terra. Ponha essa tigela em um lugar tranquilo da casa, onde ninguém possa mexer, e deixe-a lá por uma semana. 

Depois, coloque essa pedra em sua mesa de trabalho ou leve-a com você sempre que estiver conduzindo algum tipo de negócio. 

Para recarregar a pedra, deixe-a por alguns dias novamente em cima dessa terra, que pode ficar armazenada em um pote de vidro ou em um saco plástico.

domingo, 17 de novembro de 2013

Sobre Cerridwen, deusa-madrinha de nosso círculo de mulheres



Cerridwen é considerada a deusa da magia, da sabedoria, da inspiração, dos grãos, da transmutação, da fertilidade, do uso sagrado das ervas, do renascimento, da renovação e dos ciclos. Também simboliza os dons proféticos ligados à preparação de poções.

Frequentemente é vista como uma deusa solitária, que está sempre mexendo seu caldeirão e estudando novas poções. Poderosa, está sempre tentando aperfeiçoar sua Arte. No entanto, ela também é a mãe de Morfran (Grande Corvo) e Creidwy, bem como esposa do gigante Tegid Foel. Sua família é seu grande objetivo e ela tenta protegê-la e remover os obstáculos que estão em seus caminhos.

Cerridwen é magia, proteção e ajuda. Ela é movimento, aquela que age e tenta recriar seu próprio destino. Ela nos ajuda a aceitar nossa própria força para moldar nossas vidas.

Ela utiliza o poder das ervas e das estrelas para fazer um feitiço que traga sabedoria, inspiração e habilidades a seu filho. Esse caldeirão com ervas e água fervente deve ser mexido várias vezes durante um ano e um dia. As três primeiras gotas dessa poção serão utilizadas na magia. O restante ficará envenenado e o caldeirão explodirá. É importante dizer que esse caldeirão representa o útero feminino.

A fim de aperfeiçoar seu feitiço ou, em algumas versões do mito, apenas para descansar, Cerridwen "contrata" o rapaz Gwion para mexer o caldeirão e Morda, um velho cego, para manter o fogo acesso.

É interessante que, quando perceber que o caldeirão explodiu, Cerridwen primeiro bateu com um tronco na cabeça de Morda e um de seus olhos caiu. Ele diz que não foi ele quem a traiu e Cerrridwen vai atrás de Gwion. Alguns estudiosos dizem que, neste momento, Cerridwen aceita e reconhece a sabedoria dos mais velhos.

Inicia-se então uma corrida implacável em que Cerridwen e Gwion transformam-se em diversos animais (shapeshifting) até que ele se transformar em um grão e Cerridwen, na forma de uma galinha, o engole e fica grávida dele, que, quando nasce, passa a se chamar Taliesin. Esses animais são interpretados como representações dos clãs celtas.

Essa corrida implacável é lida por muitos como raiva e vingança, mas também pode representar o relacionamento entre mestre e aluno.

Este mito nos mostra também o ciclo natural de nascimento, morte e renascimento.

Cerridwen domina os mistérios da magia e as forças da natureza para transformar situações reais, conforme sua lenda. Tentou transformar o filho feio em alguém belo, porém seu servo bebeu por engano (há versões que dizem que ele não bebeu a poção por engano).

Pode-se entender esse mito como um conselho para fazer as coisas sem pressa e deixar nas mãos do tempo as coisas da vida, uma vez que não temos controle sobre elas. A mulher sábia espera e aprende com o tempo.

Cerridwen é a força que nos ajuda a renascer depois de frustrações, doenças ou morte. Também nos ajuda a nos mantermos firmes em nosso propósito e a encontrar força na adversidade.

Segundo esta sábia deusa anciã, devemos deixar os planos amadurecerem em nossos caldeirões.


Danielle Sales, 27/10/2013


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Blogs e sites sobre ativismo menstrual

Estou morrendo de saudades de postar aqui no blog, mas o trabalho e os estudos não estão deixando. :-(
 
Vim aqui rapidinho só para compartilhar com vocês os últimos blogs e sites sobre ativismo menstrual que venho acompanhando. Estão todos em inglês, infelizmente, mas acho que sempre dá para retirar alguma informação importante deles.
 
Espero que gostem! Ei-los:


re:Cycling

Twitter: @re_Cycling_SMCR

Blog of the Society for Menstrual Cycle Research


 

 

Ms Menstruation


Twitter: @MsMenstruation



 


Period Piece


Twitter: @period_piece


Vag-related dialogue, particularly in regard to the lady-bleeding. http://periodpiece.blogspot.com/ 

Crotch Canyon · periodpiece.blogspot.com

 

 

Period Positive


Twitter: @PeriodPositive


Chella Quint of Adventures in Menstruating will RT #periodpositivestuff: funny without insulting menstruators and/or challenges taboos.


 


The Period


Twitter: @ThePeriodBlog


Editor of The Period Blog & Cat Lover. Providing reviews of pads, pantiliners, tampons. Sharing period tips & tricks! Send period Qs to theperiodblog@gmail.com

Vancouver, BC · ThePeriodBlog.com

 
É claro que há muitos outros, estes são apenas os que comecei a acompanhar há pouco tempo. Se você tiver outras dicas de sites ou blogs parecidos com estes, deixe sua sugestão aqui nos comentários e eu posso ir aumentando a lista!

 

sábado, 21 de setembro de 2013

Baunilha - Curiosidades e propriedades mágicas




Nomes científicos: Vanilla planifolia, V. Pompona, V. Planifolia, V. tahitensis

Elementos: água, fogo, ar

Gênero: feminino

Planetas: Vênus, Júpiter, Mercúrio

Direções: norte/leste

Deusas: Felicitas, Fortuna, As Musas, Brighid, Amaterasu, Artemis Calliste, Atena, Bast, Maya, Minerva, Phoebe, Sunna

Propriedades mágicas: amor, luxúria, poderes mentais, sexo, energia física, energia mágica, paixão, lua nova

Cores: verde e dourado

Dias da semana: domingo, quarta-feira, quinta-feira e sexta-feira

Corpo: sono

Mente: solidão, amor, monogamia, popularidade, estresse

Espírito: amor


Quem nunca curtiu aquele gostinho de baunilha da essência que ia na receita do pudim ou do bolo? Aliás, você sabia que existe diferença entre essência e extrato de baunilha? A essência vem naquele potinho plástico ou de vidro e é industrializada; o extrato é obtido através da maceração da baunilha em álcool.

Não sei se todos os leitores sabem, mas a baunilha, na verdade, é o fruto de uma orquídea. O nome científico, vanilla, significa “pequena vagina”, por conta da forma sugestiva dessa flor.



As flores dessa orquídea se abrem apenas uma vez por ano e sua polinização é feita a mão. Sabe-se que apenas um tipo de abelha faz a polinização da baunilha, a chamada Eulaema meriana. Por esse método, mais natural, a chance de polinização da baunilha é de apenas 1%, motivo pelo qual é mais interessante que ela seja polinizada artificialmente pelas mãos humanas.

Até chegarem ao que conhecemos por favas de baunilha, elas são cozidas e depois embaladas em tecidos para suar. Depois dessa fase, diariamente, por um período de três semanas, elas são expostas ao sol por várias horas. Depois disso é que o odor característico da baunilha começa a aparecer. Por mais três semanas elas são postas para secar novamente. Por conta de todo esse processo e de suas peculiaridades é que a baunilha é considerada a especiaria mais cara depois do acafrão.

Os astecas foram os primeiros a utilizar a baunilha, adicionada ao chocolate e, depois disso, ela foi exportada para a Europa.

Diz-se que o odor da baunilha é o que mais se aproxima do leite materno e, por isso, cheirá-la ou ingeri-la tem efeito calmante e ajuda a trazer à memória as recordações de infância.

Usada em feitiços de amor, a baunilha também é utilizada como amuleto para aumentar os poderes mentais, e suas flores púrpuras são usadas em sachês afrodisíacos para aumentar a paixão. Também pode ser usada para ter algum tipo de poder sobre outras pessoas, para aumentar o desejo sexual e para melhorar a vitalidade das pessoas.

Afrodisíaca, é considerada estimulante e auxilia a melhorar o humor. Ela é considerada afrodisíaca porque, na verdade, sua ingestão provoca uma espécie de irritação uretral, o que costuma estimular a consciência em relação aos órgãos genitais. É muito utilizada em poções do amor e também em casos de baixa libido.

A baunilha é associada ao amor, à luxúria, aos poderes paranormais. Para sachês e feitiços de amor, recomenda-se utilizar açúcar com a baunilha.

São muitas as histórias que envolvem a baunilha. Por exemplo, acreditava-se que, se uma mulher colocasse algumas gotas de tintura de baunilha atrás da orelha, ela atrairia muitos homens. A lenda também diz que Xanat, a jovem filha da deusa mexicana da fertilidade, se apaixonou por um jovem (algumas fontes dizem que ele se chamava Totonac, mas desconfio que era um jovem do povo totonaca). Como não era possível se casar com ele, por conta de sua natureza divina, ela se transformou numa planta que traria prazer e felicidade. Até hoje, os totonacas celebram o festival da baunilha no fim da primavera.

A fragrância da baunilha revitaliza o corpo e produz energia bioelétrica, que pode ser canalizada para rituais mágicos. Por isso, quando precisar de algum esforço extra, inale a baunilha solicitando à planta vigor e proteção.


Por fim, uma dica: não use baunilha artificial (essência) em seus feitiços, pois será considerada inerte e não terá efeito. Use apenas a baunilha seca ou extrato de baunilha.

domingo, 8 de setembro de 2013

Documentário - "Meninas", de Sandra Werneck





Há muito tempo, lendo uma dessas revistas femininas mainstream, li que a Sandra Werneck estava gravando um documentário sobre adolescentes grávidas em favelas do Rio de Janeiro. Gostaria de tê-lo visto antes, mas não tive oportunidade. 

Hoje pela manhã, zapeando pelos canais da tevê por assinatura, achei o documentário Meninas (lançado em 2005) resolvi vê-lo antes do almoço de domingo em família.

O que vi foi a história de quatro meninas que engravidaram cedo, deixando para trás seus sonhos por uma vida melhor, que, não raro, eram sonhos também compartilhados pela mãe delas.

Uma tem treze anos, outra tem quinze. E imediatamente sou transportada para a minha infância no Rio de Janeiro, quando a afilhada da minha mãe, de apenas treze anos, engravidou. Lembro que isso era um tabu e eu não podia ficar perguntando. Notei que os adultos tentaram esconder o fato de mim e de uma outra prima minha, um ano mais nova.

Uma engravida de um rapaz que está envolvido com o tráfico de drogas. Outra engravida de um rapaz que também engravidou outra moça. Histórias trágicas, mas que algumas meninas contam rindo, assim como fazem quase todas as adolescentes. Uma delas até mesmo diz que a criança será sua "boneca".

Uma moça diz que pegava camisinhas no hospital, mas que nem sempre as achava lá. O espectador decide entre pensar que a menina está mentindo ou então que o sistema de saúde não está preparado para lidar com adolescentes que estão iniciando a vida sexual. Fico imaginando a quantidade de camisinhas que são dadas a essas moças e rapazes. Três? Quatro? Fico me questionando por que motivo as pessoas que entregam essas camisinhas não dão mais orientações sobre vida sexual e gravidez indesejada a essas pessoas.

A falta de estrutura familiar também fica clara no documentário. A menina de quinze anos perdeu o pai, que era traficante. Cuida de quatro irmãos enquanto a mãe trabalha para sustentar a família inteira sozinha. A outra vai ao baile funk mesmo grávida e bebe cerveja durante a gestação. Trata a mãe mal e essa mesma mãe ri. Aliás, se ele não rir, vai fazer o quê?


O documentário é leve, mas trouxe uma tristeza imensa ao meu coração, ao ponto de eu não conseguir almoçar direito. O final foi triste e, se você quiser assisti-lo, ele está disponível, completo, aqui.

Reflexão sobre a raiz

As folhas de uma árvore são muitas, 
mas a raiz é uma só.



(Esta frase veio num biscotinho da sorte que comi esta semana. Por ser tão sábia e ter tudo a ver com o Mulher Verde, eu a reproduzo aqui.)

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Anotações sobre o seu jardim - My Garden Notes


Uma prática muito interessante para quem lida com ervas, flores, hortas, plantas e luas, enfim, com a natureza, é fazer observações em um caderno utilizado somente para esse fim e depois compará-las periodicamente (ano a ano, semestre a semestre, por estação etc.).

Pensando nisso, criei caderninhos chamados "My Garden Notes", em formato 10 cm x 15 cm, com capa verde, 44 páginas em papel reciclado e encadernação manual, conforme a foto que você pode ver abaixo.







Se quiser encomendar, entre em contato comigo pelo e-mail doitherself@gmail.com

Eles são feitos com muito carinho e, como bônus, envio dicas de como utilizá-lo!



sábado, 31 de agosto de 2013

Laternas com latinhas recicladas

Até pouco tempo, eu ficava triste quando precisava jogar fora aquelas latinhas de leite condensado e creme de leite que sobram depois de fazer mousse de maracujá. 

Por um tempo, eu as guardei para o moço que pegava material para reciclar no meu bairro, mas ele sumiu e eu fiquei com pena de jogá-las no lixo.

Eis que, então, vi essa maravilhosa sugestão e já estou iniciando uma pequena produção de lanterninhas feitas com latas recicladas aqui em casa:



Com elas, você pode enfeitar sua casa, dar de presente e até mesmo vendê-las! É fácil fazer e você ainda ajuda a diminuir a quantidade de lixo no mundo!

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Sorteio do livro - Fitonergética



Olá, pessoal!

Fiz o sorteio do livro "Fitoenergética", do Bruno J. Gimenes, e a sorteada foi a Mônica Azevedo.
 


Uma outra pessoa havia sido sorteada, mas, como não curtiu a página do Mulher Verde no Facebook, tive de refazer o sorteio. :-(

A Mônica já foi contatada para que envie seu endereço e possa receber o livro.

Parabéns, Mônica!

sábado, 20 de julho de 2013

O Jogo da Masturbação Feminina – Happy Play Time

Poucos de vocês sabem, mas meu último “interesse profissional” é a gamificação. O que seria isso? Grosso modo, é colocar elementos comuns de games (placares, troféus, narrativa etc.) em contextos que não são jogos, como treinamentos para funcionários de empresas, cursos on-line, ações de marketing etc.

Mas isso aqui não é um blog de gamificação, então vamos logo mudando de assunto! :-D

E eu vim aqui contar para vocês que ontem fiz uma descoberta inusitada. Achei um game, a ser lançado muito em breve, que tem como objetivo ensinar às mulheres a importância da masturbação. E ele se chama Happy Play Time.



Segundo a designer Tina Gong, criadora do game, 46,6% das mulheres se masturbam menos de uma vez por mês e, quando estão em um relacionamento longo, tendem a fazê-lo ainda com menos frequência (você pode encontrar mais estatísticas sobre o assunto, em inglês, aqui).

Foi com esses números em mente que Tina criou uma “mascote”, ou seja, uma vagina “personificada”, em tons de rosa e vermelho (muito bonitinha até!), que terá o papel, no jogo, de ensinar e incentivar as mulheres a se masturbarem, começando com a primeira lição, de anatomia feminina.




Embora eu goste da ideia da Tina, que procura tratar o tema com humor e de forma leve, várias pessoas estão falando mal dele.

Em primeiro lugar, tem muita gente dizendo que criar um mascote para a vagina é uma forma de ridicularizar o assunto, mas não consigo enxergar a questão dessa forma. Há pessoas que também acham que não é preciso incentivar a masturbação feminina, pois essa é uma imposição heteronormativa. E, em terceiro lugar, há também quem cite a questão das transexuais, dizendo que, nesse sentido, o jogo seria excludente. 

Todas essas são questões políticas, e válidas, mas eu quero mais é que o joguinho de celular seja lançado logo, porque qualquer iniciativa que ajude a mulher a conhecer seu próprio corpo e decidir o que é melhor para ela, na minha opinião mim, também é bastante válida.

Confesso que fiquei feliz e emocionada com esse jogo, que pode levar para as mulheres do mundo inteiro a mensagem de que é preciso amar TODAS as partes do nosso corpo. Só tenho a agradecer a Tina, que sempre foi interessada nas questões relacionadas às mulheres, por ter tido essa ideia genial. Cadastre-se no site do jogo, receba as atualizações e, como está escrito lá, mantenha-se conectada. Com a sua vagina!




segunda-feira, 8 de julho de 2013

Prevenindo cálculos renais


Como vocês, leitores, já sabem, tive cálculo renal há poucos meses e ainda estou me recuperando dessa praga. A seguir, algumas dicas que aprendi com todas as leituras que fiz sobre o assunto e que podem servir como medidas preventivas para vocês.

1) Beba muita água

O ideal é beber de 2 a 4 litros de líquidos por dia, de preferência água purinha, purinha. Beber água vai ajudar eliminar toxinas do seu organismo e também evitar a formação de novas pedras. Se houver alguma pedrinha bem pequena, a água conseguirá fazê-la ir embora sem dores, mas isso só acontece enquanto elas ainda forem bem pequenas. Só por aumentar a ingestão de água, você diminui a taxa de recorrência de cálculos renais em 50%.



2) Adicione limão e/ou vinagre de maçã à água que você bebe

De preferência, o limão precisa ser fresco e/ou orgânico. Isso ajudará a alcalinizar seu corpo, bloqueando a formação de cálculos renais. Esses “sucos” também ajudam a dissolver rapidamente pedras pequenas que já possam estar nos seus rins. 

O Dr. Ed Group, do blog Natural Health & Organic Living, recomenda, caso você já esteja sentindo dores, que tome uma mistura de 60 ml de óleo de oliva com mais 60 ml de suco de limão (de preferência, utilize a versão orgânica de ambos). Tome esse suco de uma vez só e, em seguida, tome 350 ml de água. Espere 30 minutos e, então, esprema o suco de ½ limão em mais 350 ml de água, junte  uma colher de sopa de vinagre de maçã e beba. Repita a receita do suco de limão, água e vinagre de maçã de hora em hora até que os sintomas melhorem.



3) Pare de beber refrigerante

Uma das piores coisas que você, que tem ou já teve cálculos renais, pode fazer é tomar refrigerantes, pois eles acidificam o seu corpo em virtude de seu alto conteúdo de ácido fosfórico. Cuidado, pois na Web há muita desinformação sobre os efeitos dos refrigerantes nos cálculos renais – um estudo de 2010 chegou a dizer que os refrigerantes diet podem prevenir os cálculos – mas a verdade é que o consumo regular de refrigerantes contribui diretamente para a formação de pedras nos rins.



4) Tente manter uma dieta pobre em oxalato de cálcio

Embora a maioria das recomendações acima possam lhe ajudar, de maneira natural, a diminuir os efeitos do oxalato de cálcio em seu corpo, você também deve eliminar alimentos com altor teor dessa substância, como chá preto, grão-de-bico, feijão, lentilha, soja, certas castanhas, espinafre e algumas verduras (escarola, agrião, brócolis, couve, mostarda, nabo, pepino, acelga, beterraba, tomate, cebolinha, aspargos, aipo, alho-poró, berinjela, quiabo), de sua dieta caso tenha propensão a ter cálculos renais. Verduras com bastante fibras e vitamina B6 ajudam a eliminar o oxalato de cálcio do organismo.



5) Utilize o chá de quebra-pedra

Li muitos relatos na Web em que as pessoas reclamavam que tomaram chá de quebra-pedra (Phyllanthus niruri), mas ele não resolveu o problema delas. Gente, o chá não faz milagre! Se você tem pedras enormes, será quase impossível expeli-las apenas com chazinho de quebra-pedra. Essa planta é diurética e, por isso, ela ajuda a eliminar as pedras em formação, mas ela não "quebra" as pedras que já se formaram. Na verdade, alguns estudos dizem que o chá de quebra-pedra deixa as pedras mais ovaladas, o que também facilitaria sua remoção. Se eu puder dar uma dica, utilize o chá de quebra-pedra se você tem propensão a tê-las, mas faça isso antes de elas se formarem, e não depois.



6) Aumente a ingestão de magnésio

Alimentos ricos em magnésio também ajudam a evitar a formação de cálculos renais. Isso porque o magnésio ajuda a fixar o cálcio nos ossos, não deixando que esse cálcio se acumule nos rins, forme cristais e, consequentemente, novos cálculos renais.










-

Minha Lua Nova em Câncer - Julho de 2013

Ontem, dia 7 de julho, começou mais uma Lua Nova, agora em Câncer!

Talvez eu devesse ter escrito esse post antes, mas não deu, então agora vão algumas dicas de como estou tentando aproveitar essa Lua Nova por aqui.

Apesar de esse ser um período em que as pessoas ficam mais emotivas, até que comecei minha Lua Nova bem. Como sempre, a Lua Minguante foi um período perturbador, mas, uns quatro dias antes da Lua Nova em Câncer, tudo começou a melhorar novamente.

Este é um bom momento para transformar nossos sonhos em realidade, ou seja, é um período interessante para agir! E foi desse jeito que, no último sábado, participei da Mega Artesanal, uma enorme feira de artesanato. Comprei vários estênceis, andei como uma louca procurando materiais sobre encadernação e, no domingo, metade de minha Lua Negra foi passada nos bancos do Sesc Pompéia tentando conseguir uma vaga no curso de encadernação da Fernanda Brito. Graças a toda essa energia, consegui minha vaga. Com muito custo, mas consegui!

Aliás, esse é um bom momento para se envolver em projetos de arte ou que envolvam a criatividade. Se não estiver com muito tempo ou paciência, você pode apenas redecorar um cômodo de sua casa ou arrumar seu escritório ou mesa de trabalho de uma maneira diferente. Você verá mais originalidade em seus projetos, tenha certeza.

Aproveite para se cuidar mais e crie um pequeno espaço sagrado para suas meditações. Aproveite também para curtir mais sua família por esses dias.


domingo, 30 de junho de 2013

Tarô da Fitoenergética e Sorteio no Mulher Verde!

Venho estudando as propriedades medicinais e mágicas das ervas há alguns anos, no entanto, no início de 2013, me surpreendi com o trabalho de Bruno J. Gimenez: a fitoenergética. 

Confesso que, antes de ler o texto do Bruno no site Somos Todos Um, nunca tinha ouvido falar da fitoenergética, embora já acreditasse nela e, inclusive, a praticasse de outras formas que não as sugeridas pelo Bruno.

Como sou curiosa e tenho um grande amor pelo mundo das ervas, adquiri rapidamente o livro de Bruno e, para entender ainda mais a fitoenergética, fiz seu curso on-line, que, atualmente, já foi realizado por mais de 2 mil alunos, tanto presencialmente quanto a distância.



Já estamos no meio do ano e venho tentando aplicar o que aprendi no curso, sempre tendo o livro Fitoenergética - A Energia das Plantas no Equilíbrio da Alma como guia de consulta.



Agora, há poucas semanas, soube que está para ser lançado (e já está em pré-venda) o Tarôda Fitoenergética, de autoria de Bruno J. Gimenes, Patrícia Cândido e Denise Carillo, com 118 cartas que descrevem 118 diferentes plantas, com recomendações terapêuticas vindas diretamente do campo de energia invisível do reino vegetal.

O tarô será totalmente colorido e seu objetivo é proporcionar autoconhecimento, cura, transformação e um despertar da consciência. Acompanha ainda o tarô um livro explicativo com as 9 diferentes formas de utilizá-lo.



Sinceramente, não vejo a hora de adquirir o meu!

E para comemorar o lançamento desse tarô, que, na verdade, é o resultado de anos e anos de pesquisa de seus autores, vamos sortear, aqui no Mulher Verde, um exemplar do livro Fitoenergética, de autoria de Bruno J. Gimenez.

Para participar, deixe um comentário aqui nesta postagem contendo:

\   1) Seu nome e seu e-mail
    2) Assunto que gostaria de ver abordado nos próximos posts do Mulher Verde.

Você também deverá seguir o Mulher Verde no Facebook.


O resultado será divulgado em 31/7/2013, aqui no blog. Entrarei em contato com o(a) ganhador(a) por e-mail e, caso a pessoa não se manifeste em até 3 dias, será realizado novo sorteio.

Boa sorte!!!!

sábado, 29 de junho de 2013

Relato (atrasado) da Segunda Vermelha 2013

Em 6 de maio de 2013, comemorou-se, pela sexta vez no Brasil, a Segunda Vermelha.

Andei um pouco desanimada em relação a essa comemoração por uns tempos, mas, quando estávamos bem pertinho da Segunda Vermelha de 2013, decidi que gostaria de participar novamente, pois foi uma celebração que eu também ajudei a trazer para o Brasil há cerca de seis anos e não fazia sentido me “retirar” dela com meu coração ainda batendo fortemente quando o assunto é menstruação e saúde das mulheres.

Para quem não sabe, a Segunda Vermelha é comemorada uma segunda-feira antes do Dia das Mães e seu objetivo é fazer com que as mulheres se tornem mais conscientes sobre sua menstruação e seus ciclos.

Para comemorá-la (ou celebrá-la), basta usar algum item vermelho e ter a consciência de que menstruar não é algo vergonhoso, mas sim um sinal de saúde.

Em 2013, comemorei a data com outras mulheres pela primeira vez, com minhas irmãs do círculo de mulheres. Eis aqui o convite do grupo para a Segunda Vermelha:



Outras mulheres também comemoram e me concederam a honra de publicar aqui os convites para suas celebrações:


Acima, banner da Segunda Vermelha de Luciana Britto e Márcia Paula, de Itanhaém, São Paulo




Acima, banner da Segunda Vermelha de Eloá Rosa e Trina Máa Círculo de Mulheres, em Joinville, SC




Acima, banner da Segunda Vermelha de Babi Guerreiro e seu Círculo Feminino de Gaia, de Santos (SP)



Cartaz de Mariana Nunes Faria, de Minas Gerais



Agradeço a todas as mulheres acima pela partilha e espero que esses convites sirvam de inspiração para outras mulheres na Segunda Vermelha 2014. Até lá!


quinta-feira, 16 de maio de 2013

E-book gratuito: "Done with menstrual cramps", de T. C. Hale



Não sei se vocês gostam, mas eu adoro pegar um e-book gratuito da Amazon para ler no Kindle.

Hoje, para minha surpresa, há um livro sobre meus assuntos preferidos, a menstruação, de graça na Amazon! Pegue o seu enquanto é tempo. (E não esqueça de que você precisa baixar o aplicativo do Kindle para ler o livro... Mas não se preocupe: esse aplicativo roda no celular, no tablet e no computador!)

O livro se chama "Done with menstrual cramps", algo como "Como acabar com as cólicas menstruais".

Ainda não li o livro, mas parece-me que foi escrito por um comediante que se tornou expert em saúde natural. Então, se o livro não for bom, não me xinguem. A diversão, ao menos, será garantida! :-P

Pegue o livro, ainda hoje, aqui. Não deixe para amanhã, pois ele voltará ao preço normal.

domingo, 28 de abril de 2013

Segunda Vermelha 2013

Este ano, pela primeira vez, vou comemorar a Segunda Vermelha com outras mulheres. Sempre comemorei sozinha, mas dessa vez será diferente.

Se você estiver em São Paulo e quiser se juntar a nós, eis o convite:



sábado, 6 de abril de 2013

Regras da Comida - Michael Pollan

Estava eu em casa, esta semana, muito bem, quando acordei na terça-feira de manhã sentindo uma dor estranha no lado direito do abdômen. A dor logo passou, mas mesmo assim meu marido insistiu que fôssemos ao hospital. Chegando lá, após exames de sangue, remédios para dor aplicados diretamente na veia e uma tomografia, descobri que eu tinha um cálculo renal de 3 mm. Parece pequeno, mas, quando ele está num canalzinho que mede 1 mm, está causando uma obstrução na urina e seu rim direito está medindo o dobro do rim esquerdo, então esses 3 mm fazem toda a diferença. Resultado: uma ureterolitotripsia e cinco dias de molho em casa, além de um dreno, é claro.

Holisticamente falando, eu acho que essa cirurgia aconteceu porque eu não estava dando a mínima atenção a mim mesma. Estava trabalhando há vários fins de semana e só sabia falar das minhas atividades da pós-graduação. Aí, puff, acontece um problema que te deixa de molho e te faz pensar na vida.

Todo mundo sabe que eu adoro ler. E, nesses dias de repouso, consegui terminar algumas leituras. Uma delas foi "Regras da Comida", de Michael Pollan. Um livro pequeno, rápido, composto por 64 regrinhas que todo os seres humanos que comem deveriam ler.



Há alguns anos, comprei "Second Nature: A Gardener's Education", em inglês, desse mesmo autor. Comprei tanto a versão digital quanto a impressa, mas mesmo assim nunca consegui lê-lo. Muito tempo depois, acho que a Intrínseca resolveu se livrar do estoque e comprei, cada um por R$ 10,00, "Regras da Comida" e "O Dilema do Onívoro". E foi nessas férias forçadas que comecei (e terminei!) "Regras da Comida". O livro tem pouco mais de 150 páginas e quase não há texto. No entanto, cada regra tem seu grau de sabedoria, e as frases me marcaram no livro foram essas:


"A comida é um antidepressivo que
 tem um custo muito alto."

"Não coma cereais matinais que 
alterem a cor do leite."

"Se entrou pela janela do seu
carro, não é comida."


Acho que por aí vocês já conseguem ter ideia do tanto de sabedoria alimentar que esse livro pode lhes trazer... E, se eu conhecesse as regras da comida, talvez não acabasse com esse cálculo renal!


sexta-feira, 5 de abril de 2013

Ron Finley e seus jardins comunitários

Olha, faz tempo que não escrevo por aqui. A vida teve altos e baixos nos últimos tempos. E, acreditem, eu achava que minha vida tinha de seguir em linha reta, sem grandes acontecimentos. Aprendi que isso não vai acontecer na terapia, há pouco tempo. Mudanças boas, mudanças ruins. Mas houve mudanças. E muitas.

Uma delas é que, talvez, eu vá mudar de casa em pouco tempo. Amo a casa que tenho, mas acho que vamos nos mudar mesmo. Aí, numa brincadeira com meu marido, eu disse:

"Nossos vizinhos vão sentir nossa falta, tanto pela biblioteca infantil que eu criei no bairro quanto pelas hortas comunitárias que eu ajudei a montar."

No fundo, era uma brincadeira de péssimo gosto da minha própria parte, uma tentativa de brincar com dois sonhos que talvez fiquem para trás.

Primeiro porque eu realmente tinha a idéia de fazer uma biblioteca infantil na minha garagem quando vim morar neste bairro, pois o local onde moro, pasmem, não tem biblioteca. E, sem segundo lugar, porque eu realmente gostaria de ter começado uma horta comunitária aqui onde moro, mas como fazê-lo se trabalho e estudo como louca? Se mal conheço meus vizinhos?

Aí, por coincidência, chega para mim o vídeo de Ron Filey no Ted (infelizmente está em inglês, mas vale a pena assistir):




Ron Filey se cansou de ver as pessoas adoecendo no bairro onde morava, por conta da alimentação errada, e decidiu arregaçar as mangas. Criou o L.A. Green Grounds e hoje, em diversas calçadas, o que se vêem são hortas. 

Sim, hortas. Uma horta que começou na calçada da casa dele e se espalhou por toda a vizinhança. Que utilizou espaços vazios da cidade para criar vida em forma de alimentos saudáveis. Agora ele não precisa quase "viajar" para encontrar alimentos de qualidade e sem agrotóxicos. 

Melhor ainda: além da questão da alimentação, Ron trabalha com pessoas em situação de risco, que andam com gangues, e diz que a jardinagem comunitária é o seu grafite, sua maneira de se expressar.

As crianças também aprendem a plantar e a levar uma vida sustentável. Toda a comunidade agradece pela reapropriação sustentável do espaço.

Um belo trabalho, sem dúvida alguma. Que ele seja uma inspiração para tod@s nós!

Para saber mais sobre o grupo, veja os seguintes endereços:

E-mail: lagreengrounds@gmail.com

Facebook: facebook.com/lagreenground

Flickr: flickr.com/photos/lagreengrounds



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Calendário 2013

Sei que já estamos quase em março, mas não pude deixar de compartilhar essa fofura com vocês!


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Massagem para cólicas com poejo (Mentha pulegium)






As cólicas menstruais, que vão de leves a extremamente dolorosas, são um distúrbio comum entre as mulheres em idade de reprodução. As cólicas são doloridas, espasmódicas e acompanhadas por uma sensação de peso no abdome e na coluna. O útero possui um músculo vigoroso, que se contrai em resposta aos estímulos hormonais da menstruação. Como os demais músculos, responde positivamente a uma massagem.

A receita de óleo de massagem para a região pélvica contém poejo, uma erva muito conhecida e eficaz.

Ingredientes

1 xícara de chá de óleo de amêndoas
15 de poejo seco

Como fazer

Misture o poejo com o óleo de amêndoas em um recipiente de porcelana. Mexa vigorosamente com uma colher de pau e deixe descansar por cinco minutos. Coloque a mistura em uma panela e leve ao fogo na potência mínima ou, se preferir, leve-a ao forno em um refratário em temperatura mínima (100 graus centígrados) por três ou quatro horas. Quando a mistura estiver curada, escorra e inutilize as folhas de poejo-real. O óleo adquirirá um tom amarelo-claro, com fragrância forte de cânfora e hortelã. Conserve o óleo em temperatura ambiente, em um vidro bem fechado e etiquetado, por até seis meses.

Aplicação

Coloque o recipiente do óleo em uma panela com água fria. Aqueça até que se formem borbulhas no fundo. Retire a panela do fogo e despeje uma colher de sopa do óleo na palma da mão. Massageie o abdome e a região das costas para aliviar as cólicas menstruais. Recomenda-se fazer essa massagem logo após o banho. O alívio geralmente é imediato. Ao terminar a massagem, repouse, mantendo os pés elevados e as costas apoiadas em almofadas. Se for o caso, mantenha consigo um pequeno frasco com algumas gotas desse óleo e aplique em pequenas quantidades, conforme a necessidades.

Observação

Se sua cólica menstrual for severa ou prolongada, pode ser um efeito secundário, resultante de algum outro distúrbio. Consulte um médico para obter o diagnóstico e o tratamento apropriados.

 Fonte: Guia Feminino de Saúde e Beleza, de Maribeth Riggs, páginas 81 e 82, editora Angra.