sábado, 6 de abril de 2013

Regras da Comida - Michael Pollan

Estava eu em casa, esta semana, muito bem, quando acordei na terça-feira de manhã sentindo uma dor estranha no lado direito do abdômen. A dor logo passou, mas mesmo assim meu marido insistiu que fôssemos ao hospital. Chegando lá, após exames de sangue, remédios para dor aplicados diretamente na veia e uma tomografia, descobri que eu tinha um cálculo renal de 3 mm. Parece pequeno, mas, quando ele está num canalzinho que mede 1 mm, está causando uma obstrução na urina e seu rim direito está medindo o dobro do rim esquerdo, então esses 3 mm fazem toda a diferença. Resultado: uma ureterolitotripsia e cinco dias de molho em casa, além de um dreno, é claro.

Holisticamente falando, eu acho que essa cirurgia aconteceu porque eu não estava dando a mínima atenção a mim mesma. Estava trabalhando há vários fins de semana e só sabia falar das minhas atividades da pós-graduação. Aí, puff, acontece um problema que te deixa de molho e te faz pensar na vida.

Todo mundo sabe que eu adoro ler. E, nesses dias de repouso, consegui terminar algumas leituras. Uma delas foi "Regras da Comida", de Michael Pollan. Um livro pequeno, rápido, composto por 64 regrinhas que todo os seres humanos que comem deveriam ler.



Há alguns anos, comprei "Second Nature: A Gardener's Education", em inglês, desse mesmo autor. Comprei tanto a versão digital quanto a impressa, mas mesmo assim nunca consegui lê-lo. Muito tempo depois, acho que a Intrínseca resolveu se livrar do estoque e comprei, cada um por R$ 10,00, "Regras da Comida" e "O Dilema do Onívoro". E foi nessas férias forçadas que comecei (e terminei!) "Regras da Comida". O livro tem pouco mais de 150 páginas e quase não há texto. No entanto, cada regra tem seu grau de sabedoria, e as frases me marcaram no livro foram essas:


"A comida é um antidepressivo que
 tem um custo muito alto."

"Não coma cereais matinais que 
alterem a cor do leite."

"Se entrou pela janela do seu
carro, não é comida."


Acho que por aí vocês já conseguem ter ideia do tanto de sabedoria alimentar que esse livro pode lhes trazer... E, se eu conhecesse as regras da comida, talvez não acabasse com esse cálculo renal!


7 comentários:

lili disse...

Não entendi:"se entrou pela janela do se carro não é comida". O abacaxi, as alcachofras e etc entram pelo porta-malas do meu carro e são comida, sim.

Green Womyn disse...

Lili, o autor, nessa frase, está fazendo uma alusão ao fast food, que, em geral, é a comida que "entra pela janela do carro".

Não podemos esquecer que o livro é americano e foi escrito nesse contexto.

Fico feliz que pela janela do seu carro só estejam entrando comidas saudáveis! :-)

Ada disse...

Nossa, você fez uma postagem falando de mim...pois também tive esse cálculo renal exatamente do mesmo tamanho!!! Foi em março, por 10 dias um dor no abdomen e eu achando que eram gazes. A diferença é que apareceu tambem um cisto no fígado, e esse não fui investigar ainda. Vou tentar comprar esse livro! Obrigada. Ada

Green Womyn disse...

Ada, como você está se recuperando? Também precisou fazer cirurgia...

Em relação ao meu fígado, há um pouco de gordura nele, ou seja, depois da recuperação, iniciamos a dieta novamente! :-D

Strega Mamma disse...

Estimo que sare logo ! Aqui também estou em fase de "me cuidar um pouquinho"...sempre no final da fila, tem uma hora que a vida nos recoloca no início das nossas prioridades...Vamos melhorar ! Legal esses livros, não ? Bjs, Liz

Luciana Onofre disse...

desejo a ti saúde sempre, permanente.
adorei a dica"

Luciana Farias disse...

Olha, realmente, a gente precisa aprender a comer novamente!
Li uma vez que ao ler os ingredientes vc não entender algum deles, o seu corpo também não entende, então...comida natural! chega de tanta comida industrializada! a comida natural e orgânica é remédio para o corpo e alimento para alma!