quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

As Crianças e a Natureza



Há algum tempo escrevi aqui no blog que estava com vontade de ler um livro chamado "Last Child in the Woods", de Richard Louv.

E não é que tive acesso a um resumo do livro, com 10 páginas? Isso é que é ser bruxa! (rs)

Vou tentar "resumir o resumo" do livro aqui para vocês...
==================


Para estar em contato com a natureza, não é preciso ir muito longe. Ela está nas florestas, nas montanhas e no deserto, mas também está no quintal da nossa casa e no playground da escola. Por isso eu acho importante, ao escolhermos um lugar para nossas crianças estudarem, verificar a presença do verde no local. Os pais também podem exigir disciplinas relacionadas a ecologia e/ou disciplinas ligadas ao estudo da natureza no currículo.

Se seu filho é muito agitado, por exemplo, deixe-o brincar no quintal. Isso renovará a conexão biológica da criança com a natureza, promovendo um efeito calmante. Aliás, várias pesquisas estão provando que o contato com a natureza ajuda a diminuir os efeitos da hiperatividade e da obesidade em crianças.

Estar em contato com a natureza estimula nossos cinco sentidos, todos de uma só vez. Ficar brinando com o videogame e vendo televisão utiliza apenas um ou dois sentidos, meio que "atrofiando" aqueles que não são utilizados.

Se não incentivarmos nossos filhos a ter contato com a natureza, provavelmente também não teremos ambientalistas no futuro, pois como as crianças vão defender algo com que não tiveram contato e não conhecem?

Por mais que nos vejamos "separados" da natureza, nós fazemos parte dela. Por isso pode haver sofrimento quando nos vemos longe dela. Quando digo sofrimento, pode ser tanto físico quanto espiritual ou mental. Se você não sofre com nenhum desses problemas, a natureza também pode ser uma terapia preventiva.

Muitos pais não deixam seus filhos ter contato com a natureza por medo. Medo de que alguém os sequestre, de que se machuquem. Mas você não precisa deixá-los sozinhos: una-se a eles. Ou, melhor ainda, deixe-os sozinhos, apenas supervisione a brincadeira. No livro de Louv, ele diz que os crimes contra crianças geralmente são praticados por pessoas que elas conhecem, e não por estranhos. Eu, como mãe, não arriscaria deixar meu filho sozinho na rua - prefiro supervisionar, mas dando liberdade total ao meu filho para correr e pular.

Uma sugestão é acampar com as crianças, mas tomando o cuidado de não fazer com que isso seja apenas mais uma atividade chata da família, e sim um momento em que todos saem da rotina louca do dia-a-dia para contemplar a natureza e interagir com ela.

Ler sobre a natureza é uma outra sugestão de atividade com as crianças, assim como pescar. Leve-os aos parques, estudem árvores, plantas... Procurem formas nas nuvens!

Sim, a natureza é curativa. E se você quiser mais informações sobre o assunto, pode ler sobre ecopsicologia ou escritos de Theodore Roszak, que é considerado o pai dessa ciência.


Danielle Sales
15/1/2009


Crédito da foto: http://www.sutcliffeplay.co.uk/sutcliffe_new/static_pics/Nature_main.jpg

3 comentários:

Luciana Onofre disse...

Belíssimo!

Deveria ser distribuído em escolas!

Mulher de fases disse...

Muito bom Danny! Li hoje no post da Casa da Fada Azul um comentário sobre e vim correndo conferir...hoje em dia fico com medo por causa da violência,meu filho brincar solto na rua,como foi minha infância,mas sempre q temos oportunidade levamos ele prá algum lugar aberto prá ele correr...é o mínimo...o mundo anda muito complicado! bjo

Ariany (Dhanna) disse...

Pra quem mora no meio da "urbis", vale parques, praças e levar o filhote até algum lugar na natureza no final de semana, pq não?

Passei anos morando em sítios e agora estou no meio da cidade, ainda assim não estou vendo problemas para continuar a conviver com a natureza, que está por toda parte! Mesmo entre os prédios, é possível ver a lua...o problema é qd se esquece disso.

E tomar banho de chuva, colocar os pés no chão é coisa boa pra criança e pra adulto tb!

Viva a vida livre!!!