sábado, 27 de junho de 2015

O inverno e a arte perdida de escrever cartas





Estava arrumando meus materiais de papelaria, há cerca de 15 dias, e descobri que tinha muitos carimbos espalhados por cada cantinho da casa. 

Peguei uma linda caixa em forma de livro que ganhei como presente de despedida dos meus colegas em uma das últimas editoras em que trabalhei (a caixa tem a forma de um livro antigo de Jane Austen, Pride and Prejudice) e coloquei todos eles lá dentro, juntinhos, ao lado de carimbeiras que adquiri há muitos anos e também de uma carimbeira nova, azul e vermelha, que funciona com um mero apertar de botões, que adquiri na loja virtual Veio na Mala

Esses carimbos me fizeram lembrar que eu adoro escrever cartas. Sempre gostei. E neste inverno gelado vejo que não tenho motivos para ficar só na saudade das cartas trocadas.

Sobre essa arte perdida de escrever cartas, posso dizer que tudo começou com um anúncio que coloquei nos classificados da revista Rock Brigade. Ganhei novos amigos de todas as partes do Brasil. Depois, quando comecei a fazer o zine Paraphernalia, os amigos atingiram dimensões internacionais. Houve meses em que cheguei a postar cerca de 50, 60 e até 80 cartas no correio. Hoje não me vejo trocando tantas cartas com tantas pessoas, pois o tempo é escasso e eu prefiro qualidade à quantidade.

Trocávamos cartas, impressões sobre música, política, bandas, fitas cassete (ok, revelei minha idade agora), zines, livros, flyers, anarquismo, feminismo... Algumas dessas pessoas sumiram da minha vida, infelizmente, mas outras são amigas até hoje, por meio das redes sociais.

Mas, com a Internet, as cartas ficaram escassas. E eu ainda sinto uma vontade danada de escrevê-las. Da espera ansiosa e saudável para receber uma resposta (que não tem nada a ver com a ansiedade doentia de receber logo uma resposta, seja pelo celular ou pelo computador). Dos selos, dos papéis selecionados para cada amiga ou amigo em particular. Da alegria de ver algo palpável que chega nas mãos de um homem chamado carteiro. (Agora me lembrei de quando mandávamos algo mais valioso pelos correios, como um CD, por exemplo, e escrevíamos um bilhetinho no envelope: “Senhor carteiro, por favor tenha cuidado: conteúdo frágil”. Santa inocência.)

Esta semana, utilizando as mensagens de voz do WhatsApp (porque, querendo ou não, a Internet e a telefonia ceular nos conectam com pessoas das mais diversas distâncias), eu a Iony, do blog Alma Rubra, falávamos sobre as cartas que já trocamos e as que ainda vamos trocar. Queremos resgatar essa arte perdida, e é por isso que eu lhe convido para vir conosco neste retorno saudoso das cartas.

Se você quiser receber uma carta minha, são duas as opções:

      1)  Pode me escrever primeiro, e eu lhe respondo.

      2) Pode me mandar seu endereço e eu escrevo uma carta para você.

Minhas amigas mais próximas, é claro, já têm meu endereço, mas, se você não tiver, peça pelo e-mail doitherself@gmail.com. Aliás, este não é um post apenas para as amigas e os amigos mais próximos (embora saibam que são muitíssimo bem-vindos). A ideia é conhecer gente nova também.

Neste inverno, vamos resgatar esta arte perdida. De preferência escrevendo com um chazinho bem quente do lado, ou escrevendo debaixo do cobertor quentinho, ou seja lá como você quiser.

Vamos nos reconectar de uma outra maneira. Para alguns, talvez antiga e demorada, mas, em minha opinião, ainda válida. O convite está feito. (E você pode aguardar mais postagens sobre a arte de escrever cartas aqui no Mulher Verde…)

2 comentários:

Dru Arnaldo de Nicola Macchione Macchione disse...

Vos , pois , nos escrever, re-explorar as características de nossa humanização; entre os grandes da historia, só iremos compreender completamente cada personagem, completando a leitura de suas obras, com o estudo comparativo de sua correspondencia.
O maior e melhor exemplo é Lovecraft; ele antes de toda edição, escrevia a seus amigos, segredando suas expectativas e motivação, pelo convite a publicar mais uma de suas historias, ou contos. Com esse hábito , estendeu a compreensão dos ciclos da criação, desse pioneiro do estilo gótico americano, sucedido por nomes como August Darleth, que por sua vez, foi fazendos as sequenciações de Cthulhu, de Arkham, de Dagon, da Chave de Prata que abre os portais para aquela dimensão alem do tempo comum, ou tempo grande; que foram os demonios no sentido grego de espíritos que acompanham os ciclos da vida humana em sua historia, para o personagem chave de Randolph Carter...
Vamos, nos escrever, e continuar nos humanizando.
Winterlands d'Amour et Sombra, nos caminhos do chá, entre as ervas e o mel, nas noites sem sono sob a lua dos deuses mais antigos, eu vou lembrar!

Dru Arnaldo de Nicola Macchione Macchione disse...

Errata: na primeira palavra escrita, grafada como "Vos" o certo é "Vamos", (o vos comparativo a nos foi um problema de digitação,que geraria uma coincidencia para formas pronominais de tratamento paradoxais, que dotariam o texto de uma leitura transversa; ad venia)