domingo, 9 de janeiro de 2011

Héstia - O Cálido Lar (de "Meditações Pagãs", Ginette Paris)




Héstia é representada com porte muito ereto, suas vestes cobrindo-a quase completamente, ao mesmo tempo imponente e discreta, de uma imobilidade notável. Em pé ou sentada, não sugere qualquer movimento. Calma e dignidade emanam dela.

Embora poucas histórias e mitos cerquem Héstia, não se deve pensar que ela tem menos importância que os outros deuses do Olimpo. É menos fulgurante e não se fala muito dela, mas pelo lugar que ocupava na vida diária era uma das mais glorificadas. O fato de haver poucas histórias relacionadas a ela demonstra que Héstia não gosta de mundanças, nem de aventuras; há, portanto, pouca história para contar porque quase nada acontece com ela. (...)

Héstia é o centro da Terra, o âmago do lar e nosso próprio centro pessoal. Ela não deixa seu lugar; é preciso ir até ela. Robert Graves diz dela: "A mais suave, justa e caridosa de todos os deuses do Olimpo".

O lar do grego médio, na Antiguidade, dispunha, em primeiro lugar, de uma lareira, em torno da qual se construía uma casa. O espaço doméstico era organizado em torno de uma lareira e Héstia era essa lareira. Havia apenas uma palavra para designar tanto a lareira quanto a deusa que nela habitava. (...)

Este era o coração da casa, o lugar da intimidade familiar, um abrigo do tumulto, pois Héstia protege, recebe e dá segurança. (...) Brigas e disputas não podiam ter lugar na presença de Héstia, pois a lareira era um lugar de paz e segurança. (...)

Conhecer Héstia é também compreender que num inquietante número de lares o fogo central se apagou.

(...) a arquitetura moderna, como é praticada, está dominada por valores masculinos. (...) O interior da casa é cada vez mais encolhido e a fachada é concebida para "ser vista". A sala de estar, que serve mais para visitas sociais do que para a vida familiar, é, em muitas residências, mais espaçosa e luxuosa que os outros cômodos usados para toda a família.

(...)

Héstia é encontrada onde a família descobre seu centro. (...) Héstia corresponde àquilo que é o núcleo da afeição, das necessidades, das preocupações e das atividades da família.

(...)

Héstia está, principalmente, empenhada em reunir, no tempo e no espaço, aqueles que constituem o lar.

Na Roma antiga, onde o culto a Vesta era até mais desenvolvido, ela presidia o preparo das refeições e o primeiro trago ou bocado de comida lhe eram consagrados. Em vez da oração cristã de agradecimento pelos alimentos, ou outras formas profanas de iniciar a refeição, como dizer "saúde", a fórmula "para Vesta" era o início ritual de suas refeições.

(...) para ter uma vida familiar que nos aqueça, devemos, assim como à chama de Héstia, mantê-la, cuidá-la, alimentá-la e colocá-la no núcleo de nossas atenções.

(...)

A segurança que ela [Héstia] pode trazer está relacionada à estabilidade, à tradição e à preservação de bens que nos sustentam em tempos difíceis.


Uma de minhas resoluções de ano novo é transformar, a cada dia, o lugar onde moro em um lar. Para tanto, reli os capítulos sobre Héstia no livro cujo nome está no título dest post e coloquei aqui os trechos mais significativos (páginas 217 a 241).

12 comentários:

Spooky disse...

WOw! Fantástico, e não conhecia Héstia, agora que conheço vou tentar fazer também do lugar onde moro em um lar...

Ghi disse...

Espero que coloque aqui o processo desse "novo lar"! Vou ficar na espectativa.
E obrigada pelos trechos, eu estava precisando mesmo ler algo sobre ela, ainda mais agora.
Depois que li seu post (e os outros) sobre a cozinha, fiquei pensando que desde que me mudei para cá queria fazer algo para ela e até agora não fiz.
Obrigada.
Beijo e feliz 2011!!!!

Green Womyn disse...

Spooky, vou postar mais sobre ela aqui este ano, ok?

Obrigada pela visita!

Green Womyn disse...

Ghi, logo haverá mais textos sobre ela aqui. Vamos juntas construir os nossos lares!

Beijo pra vc e pro Othávio!

Mary disse...

já pedi muito a Héstia prá proteger meu lar...agora estou precisando torná-lo novamente um..."os Deuses não se afastam da gente,nós é que nos afastamos Deles!"

Ursula disse...

Adorei o post. Aliás, amei seu blog. beijos

Luciana Onofre disse...

eu acho algo ímpar as sincronias, as verossimilhanças que há entre mulheres que seguem o mesmo caminho...
Aquele ciclo das Cozinhas de Bruxa, ativou o meu fazer "um lar na cozinha"... E pasmem, logo para uma deidade masculina...
Mas dentro do que estudo sempre surge a necessidade de uma deidade feminina por lá...
Este deve ser o ano para isso!

Bjs!

Green Womyn disse...

Que deidade, Lu?

Beijo e obrigada pela visita!

Inês disse...

Gostei muito do texto. Héstia é uma deusa acolhedora. :)

Eu escrevi sobre ela há alguns meses: http://cerescerealia.blogspot.com/2010/08/hestia-fogo-e-casa.html

Beijos!

Danny disse...

Maravilhoso post =]
e é algo tão importante as pessoas transformarem as casas em lar...
Que Héstia sempre proteja sua lareira ;D
Abraço, adoro seu blog!

Ariany (Dhanna) disse...

Tenho pensado em Héstia, Dany!

Precisando ativar esse lado na minha família, já que Ganesha é o Senhor da cozinha...

Falta um ar feminino e penso em Héstia como o elo...

bjss e bençãos ao seu lar!

Ariany (Dhanna) disse...

E prefiro chamá-la de Vesta!
(Vai entender...rs)